Velhos nomes especulados para a Alepe

Parlamentares apontam o atual presidente da Casa, Guilherme Uchoa, e Romário Dias como futuros candidatos

A eleição para escolha do presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco está marcada para o dia 12 de dezembroA eleição para escolha do presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco está marcada para o dia 12 de dezembro - Foto: Lucas Melo/Arquivo folha

 A eleição para a presidência da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), prevista para ocorrer no dia 12 de dezembro, tem como principais nomes, especulados pelos próprios parlamentares, o atual presidente da Alepe, Guilherme Uchoa (PDT), que já está em seu quinto mandato consecutivo, e o atual terceiro secretário da Casa, Romário Dias (PSD), que já comandou o órgão por três vezes seguidas. Caso se confirme a candidatura de ambos e um dos dois vença, vão somar dezoito anos de gestão no Legislativo pernambucano. Entretanto, nos bastidores se especula a possibilidade de Dias disputar a primeira secretaria da Alepe, responsável pelas finanças do órgão, contra o atual primeiro-secretário Diogo Moraes (PSB).

Romário Dias tem se colocado abertamente como candidato à presidência da Alepe, enquanto Uchoa evita tratar diretamente do assunto. Dias, no entanto, já expressou seu desejo de não provocar divisão na Casa. “Eu sou candidato a presidente. Vou sentir o termômetro da Casa, só não quero dividi-la. Se ela tiver o sentimento de que pode ter outra pessoa para resolver os problemas. Eu hoje tenho contato com vários parlamentares e quando digo que posso não bater chapa é para não dividir a Assembleia”, disse em entrevista registrada durante a semana passada.

Romário Dias disputou a presidência da Alepe pela primeira em 2001, quando se elegeu com voto de 30, dos 49 deputados da Casa. Na ocasião, Romário enfrentou o próprio Uchoa, que teve 17 votos. Em 2003, na sua segunda eleição como candidato único, obteve 42 votos. Em 2004, ele teve sua disputa mais difícil para a presidência da Alepe, obtendo 26 votos contra 23 de Sebastião Rufino. A partir da eleição da Mesa Diretora em 2007, Uchoa se sagrou como presidente, vencendo com relativa facilidade as eleições para os biênios 2007-2008, 2009-2010, 2011-2012 e 2013-2014, ocasiões em que obteve, no mínimo, 46 votos, dentre os 49 possíveis. Já na eleição para o biênio 2015-2016, marcada por polêmicas relativas à legalidade de sua candidatura e pela falta de alternância na presidência da Alepe, Guilherme Uchoa obteve 38 votos.

A possibilidade de Romário disputar a presidência é interpretada por alguns como fruto da disposição da bancada de oposição em ocupar a terceira secretaria da Casa, o que resultaria em um rearranjo da atual composição da Mesa Diretora. Na eleição do primeiro biênio, a oposição ocupou dois cargos na Mesa, a vice-presidência, com Augusto Cesar (PTB), e a terceira secretaria com o próprio Romário Dias, então filiado ao PTB. A mudança de sigla e a ida de Romário para a bancada do Governo, fez com que a oposição perdesse representação na direção da Casa. De acordo com Silvio Costa Filho (PTB), o líder da oposição, a bancada pretende readquirir a terceira secretaria e já teria três nomes disposto a ocupar o cargo. “A bancada vai se reunir em primeiro de dezembro para discutir o assunto. Até o momento, além de Augusto Cesar para a vice-presidência, três deputados se colocaram à disposição para a segunda vaga, Socorro Pimentel (PSL), Julio Cavalcanti (PTB) e Bispo Ossésio (PRB)”, comentou. Já o vice-líder da oposição, Joel da Harpa (PTN), disse que a tendência é que a bancada oposicionista “vote coesa” na eleição.

 

Veja também

Procuradoria pede que Justiça afaste Ricardo Salles do Meio Ambiente
governo

Procuradoria pede que Justiça afaste Ricardo Salles do Meio Ambiente

Após exame no pulmão, Bolsonaro diz que fará novo teste para coronavírus
Coronavírus

Após exame no pulmão, Bolsonaro diz que fará novo teste para coronavírus