Venezuela fez pagamentos de até US$ 4 bi para Odebrecht, diz imprensa

Os pagamentos extraordinários teriam sido de até US$ 4 bilhões para obras da Odebrecht em 2013

OdebrechtOdebrecht - Foto: reprodução

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, teria ordenado pagamentos extraordinários de até US$ 4 bilhões para obras da Odebrecht em 2013 em resposta a contribuições da empreiteira a sua campanha presidencial, afirma neste domingo (25) o jornal Estado de S. Paulo.

A informação é tirada de delações e documentos no âmbito da investigação de corrupção em torno da Odebrecht. Os papéis em questão estão nas mãos de procuradores de Brasil e Venezuela, detalha o jornal.

Segundo os documentos, Maduro considerou "muito urgente" a execução dos pagamentos que não constavam no orçamento oficial da Venezuela em 2013.

"Em troca de US$ 35 milhões para a campanha de 2013, o presidente daria 'prioridade' para que recursos extraorçamentários bancassem obras da Odebrecht", acrescenta o jornal.

Leia também:
Alckmin rebate delator e contesta acerto de caixa dois com Odebrecht
STF aceita denúncia, e Jucá torna-se réu em processo ligado à Odebrecht


De acordo com o Estadão, o Ministério Público obteve parte da informação dos depoimentos do ex-diretor da Odebrecht na Venezuela Euzenando Azevedo, e dos assessores Mônica Moura e João Santana, ligados às campanhas de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff.

"Santana afirmou que existia uma espécie de financiamento cruzado entre campanhas do PT e o pagamento das contas dessas operações pela Odebrecht", explica o jornal.

Segundo os documentos, Maduro começou a liberar os pagamentos para as obras menos de um mês depois de ser eleito, em abril de 2013.

Veja também

Rosa Weber derruba decisão de Ricardo Salles que tirava proteção de restingas e manguezais
Meio Ambiente

Rosa Weber derruba decisão de Ricardo Salles que tirava proteção de restingas e manguezais

Para senadores, pandemia acelerou necessidade de atualizar a Lei de Falências
Senado

Para senadores, pandemia acelerou necessidade de atualizar a Lei de Falências