Vereador condenado pela Justiça Eleitoral

Além dos patrocínios pagos, o futuro vereador é alvo de investigação por abuso de poder econômico e compra de votos.

Compaz Ariano Suassuna foi entregue na manhã desta segunda-feira (27)Compaz Ariano Suassuna foi entregue na manhã desta segunda-feira (27) - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

 

O vereador do Recife eleito, Romero Albuquerque (PP), foi condenado, ontem, a pagar R$ 270 mil à Justiça Eleitoral, após ser condenado 27 vezes por praticar propaganda eleitoral patrocinada nas redes sociais, o que fere a Legislação. Apesar de o pepista alegar que não seria o autor dos perfis que divulgaram as propagandas patrocinadas, com intuito de lhe prejudicar, a Justiça Eleitoral não acolheu o argumento, por entender que os perfis enaltecem a sua postulação e não denigrem.
“Os anúncios patrocinados que instruíram as ações, em nenhum momento, denigrem a honra do representado, pois, ao revés, se constituem numa explícita propaganda eleitoral, cujo conteúdo enaltece a figura do candidato. Ora, será que alguém que almeja prejudicar um candidato vai postar fatos positivos em relação a pessoa deste, através de um mecanismo pago que impulsiona a publicação, atingindo um numero infinito de pessoas?”, questiona a comissão de propaganda, em nota encaminhada à Imprensa.
Além dos patrocínios pagos, o futuro vereador é alvo de investigação por abuso de poder econômico e compra de votos. No pleito deste ano, Romero, que obteve 5.613 mil votos, aparece em materiais publicitários com os candidatos majoritários Daniel Coelho (PSDB) e Geraldo Julio (PSB). A sua legenda, no entanto, pertence à coligação socialista. Em nota, o PP se mostrou solidário ao filiado, afirmando ter confiança no vereador.

 

Veja também

STF negou prisão domiciliar a ex-deputado que morreu de Covid-19
Brasil

STF negou prisão domiciliar a ex-deputado que morreu de Covid-19

O Império contra-ataca e ganha espaço na Cultura do governo Bolsonaro
Família Imperial

O Império contra-ataca e ganha espaço na Cultura do governo Bolsonaro