Política

Vereador Ivan Moraes Filho questiona PCR sobre Carnaval

Parlamentar questiona utilização e, inclusive, sublocação de espaços públicos

A audiência pública foi uma solicitação do vereador Ivan Moraes (PSOL)A audiência pública foi uma solicitação do vereador Ivan Moraes (PSOL) - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

 

O vereador do Recife, Ivan Moraes Filho (PSOL), ingressou, na quarta-feira (25), com dois pedidos de informação junto à Prefeitura do Recife, faltando pouco menos de uma semana para o recomeço dos trabalhos legislativos. Sob a justificativa de que o poder público sempre arca com custos "elevadíssimos" no carnaval para fins privados, o psolista pediu informações sobre a comercialização dos espaços públicos no período momesco e os débitos da PCR com cachês de artistas.

Segundo o parlamentar, há alguns carnavais, espaços públicos vêm sendo comercializados, chegando a serem sublocados. No documento, entre vários pontos, o psolista pede estudo, laudo ou pesquisa sobre o impacto das instalações dos camarotes que serão colocados. Ivan Moraes pede, ainda, as contrapartidas ou valores que a Prefeitura recebe para a cessão e instalação de camarotes privados em espaços e prédios públicos.

"Considerando que, como é conhecimento de todas e todos, para a realização de um desfile de bloco carnavalesco, nas dimensões do Galo da Madrugada, a Administração Pública arca com relevante gasto público na manutenção da ordem e da segurança pública, assim como com os serviços de limpeza urbana, bombeiros, reordenamento do trânsito e de atendimento à saúde da população em geral (SAMU). Todos esses gastos públicos são elevadíssimos e suportados por toda a sociedade", argumentou Moraes.

No outro pedido, ele solicita a relação dos débitos da PCR com artistas e grupos culturais desde 2013, nos três ciclos do município (Carnaval, São João e fim de ano). O pedido vem em meio a críticas de artistas locais feitas no final do ano passado quanto a supostos atrasos dos caches no plano estadual. Após o ingresso com os pedidos de informação, a prefeitura terá 30 dias para responder as solicitações do oposicionista. Caso não apresente às informações requeridas no prazo, a PCR incorrerá em crime de responsabilidade, nos termos da legislação federal.

 

Veja também

Câmara aprova MP que define divulgação do resultado da Previdência
Política

Câmara aprova MP que define divulgação do resultado da Previdência

Eduardo Cunha diz que votará em Bolsonaro: 'Estou enfrentando o PT'
POLÍTICA

Eduardo Cunha diz que votará em Bolsonaro