Vereadora de João Alfredo, no Agreste, é eleita na UTI

Faltando cinco dias para eleições, Socorro Soares sofreu edema cerebral e foi levada às pressas para um hospital na Capital

Sergio Leite (PSC) foi empossado deputado estadualSergio Leite (PSC) foi empossado deputado estadual - Foto: Sabrina Nóbrega/Alepe

 

Projetada nacionalmente por ser a pátria-mãe do responsável pela maior zebra da história de uma eleição para a Presidência da Câmara dos Deputados, o ex-deputado Severino Cavalcanti (PP) - cassado do car­go pouco tempo depois por desvios éticos - , a cidade de João Alfredo, no Agreste Setentrional, a 106 km do Recife, também escreveu um incrível e chocante capítulo nas eleições municipais de 2016: eleger uma vereadora internada em estado gravíssimo numa UTI de um hospital da Capital.
Aos 62 anos, remanescente da comunidade quilombola Olho D` água Cercado, a 6 km do centro urbano de João Alfredo, Socorro Soares (PP) recebeu a segunda maior votação entre os 11 vereadores do município - 1.062 votos - na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital Português, no Recife, para onde foi transportada, já desacordada por uma forte dor na cabeça, faltando cinco dias para as eleições de 2 de outubro passado.
Não teve direito sequer a votar nela própria e só soube que estava eleita uma semana depois, quando reagiu lentamente à enfermidade que lhe tirou a visão, também, por 29 dias. “Fiquei cega por quase um mês e o médico chegou a falar que se eu escapasse ficaria sem enxergar para o resto da vida”, diz a parlamentar, que regressou ao município há dez dias, já com a visão recuperada. Segunda-feira passada, em meio a uma grande emoção vivida por ela e seus pares, foi bater o ponto na Câmara, com outro semblante, já sem os longos cabelos pretos, roubados pelas sessões de radioterapia.
Gratidão
No plenário da Câmara, onde vai iniciar ser terceiro mandato, Socorro agradeceu a belíssima votação, a solidariedade do seu povo e prometeu retribuir fazendo mais do que já faz pelo social, marca da sua ação parlamentar. Em sua região de atuação, ela é conhecida como a vereadora da saúde, porque usa seu carro particular, um velho Fiat, para transportar doentes aos hospitais da Região e Recife.
Socorro sofreu um forte apagão em consequência de um edema cerebral. Há dois anos, ela extraiu uma mama e, de imediato, os médicos passaram a desconfiar que o seu caso pudesse ser um novo câncer, desta feita no cérebro. Depois de passar por dois dos hospitais, inclusive um especializado, o Hospital do Câncer, no Recife, a vereadora saberá em definitivo seu diagnóstico nos próximos dias, quando receberá os exames feitos durante o período em que esteve internada.
Duracel
Mulher de fé e guerreira, de uma energia tão positiva que foi apelidada de “Duracel”, pelos pacientes do Hospital do Câncer, Socorro está otimista. “Eu sei que não tenho mais nada e os exames vão confirmar que estou curada”, antecipa. Embora a fé mova montanhas, sua família está bastante apreensiva.
“Os médicos que estão acompanhando o seu caso suspeitam de um câncer no cérebro, mas ela acha que não tem nada”, diz a filha Jaira Soares, que a socorreu para o hospital praticamente na véspera da eleição. Segundo ela, a notícia que se espalhou nos tradicionais redutos eleitorais da brava parlamentar é que estaria morta.
Mesmo diante de tamanha boataria, sem que a família tivesse a certeza de que a matriarca voltaria vivinha da silva para os seus, os eleitores deram a Coca, como é conhecida, uma votação mais expressiva do que a do pleito anterior, em 2012.
“Eu acho que o povo ficou impactado e votou solidário à minha dor”, afirma a parlamentar, para quem, neste episódio, a pior coisa que ocorreu foi ter deixado de votar. “Já pensou de eu tivesse perdido por um voto? Eu ia arrancar a goela do médico que me proibiu de sair da UTI”, brinca.

 

Veja também

Conselheiros federais da OAB pedem investigação sobre integrantes da Lava Jato
lava jato

Conselheiros federais da OAB pedem investigação sobre integrantes da Lava Jato

Método da inteligência brasileira para avaliar novos integrantes do governo se resume a 'dar um goog
Governo

Método da inteligência brasileira para avaliar novos integrantes do governo se resume a 'dar um goog