Política

Vice da Câmara diz que irá romper com governo após convite a Serraglio

Fábio Ramalho (MG) afirmou na tarde desta quinta-feira (23) que sua vontade agora é impor seguidas derrotas ao Palácio do Planalto nas votações

Deputado Federal Fábio Ramalho (PMDB-MG)Deputado Federal Fábio Ramalho (PMDB-MG) - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O convite para que o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) assuma o Ministério da Justiça já causou o primeiro racha público na bancada do partido na Câmara.
Vice-presidente da Casa, o também peemedebista Fábio Ramalho (MG) afirmou na tarde desta quinta-feira (23) que está rompendo com o governo de Michel Temer e que sua vontade agora é impor seguidas derrotas ao Palácio do Planalto nas votações.

"Parece que o governo tem ódio de Minas", disse Ramalho à reportagem, afirmando que irá procurar colegas do partido, não só de seu Estado, para o acompanharem na rebelião.

A insatisfação da bancada do PMDB de Minas reside no fato de Temer não ter escolhido o também deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), que chegou a ser cotado, mas acabou sendo descartado após vir a público declarações que ele deu contra o poder de investigação do Ministério Público.

Fábio Ramalho afirmou que recebeu na tarde desta quinta um telefonema de Temer, que tentou lhe explicar a escolha.

Segundo o deputado, Temer prometeu até recriar um ministério para colocar um peemedebista de Minas como ministro. "Falei que a gente recusava, que estamos de ouvido aberto para as ruas e que não queremos recriação de ministério, queremos é menos ministério", disse Ramalho, em tom exaltado.

O deputado afirmou que Temer disse apenas, então, que se a vontade dele era essa, ela seria respeitada. "Minas está sendo preterida em tudo, já cansou de entrar ministro de outro Estado. Pelo tamanho da bancada, o tamanho do nosso Estado, da nossa população, a gente exige mais respeito."

A insatisfação com a escolha de Ramalho se estende a peemedebistas de outros Estados também. Sob condição de anonimato, dois deles disseram que o Ministério da Justiça não resolve o problema do partido, que demanda comandar uma pasta com acesso a recursos para obras nos redutos eleitorais dos parlamentares.

Segundo eles, Serraglio não conseguiu o apoio da bancada, que é a maior da Câmara. O partido de Temer reclama ter um espaço no governo menor do que o PSDB.

Por conta do racha na bancada peemedebista, o presidente considera deixar o anúncio do novo ministro para a semana que vem. Segundo um assessor presidencial, ele terá de pacificar a bancada federal antes de anunciar um nome caso não queira enfrentar retaliações de seu próprio partido no Congresso Nacional.

Veja também

PF conclui que Milton Ribeiro não cometeu crime em disparo de arma de fogo no aeroporto
Política

PF conclui que Milton Ribeiro não cometeu crime em disparo de arma

Colômbia está diante de guinada histórica para a esquerda
Mundo

Colômbia está diante de guinada histórica para a esquerda