[Vídeo] Bruno Araújo: "O programa do PSDB não me representa"

O ministro registra que o programa partidário exibido, nesta quinta, não é justo com a história do partido, denotando mal-estar interno

Bruno Araújo Bruno Araújo  - Foto: Marcelo Camargo/abr

Após veiculação, nesta quinta (17), do programa partidário do PSDB, cujo teaser já anunciava que o partido "errou", o ministro das Cidades, Bruno Araújo, em nota, registra que o vídeo não lhe representa, denotando o mal-estar instalado internamente na legenda, após estratégia adotada pelo presidente interino, Tasso Jereissati.

"Seguimos um caminho de compromisso e recuperação do País. Por tudo isso, esperamos da presidência interina que se conduza dentro dos limites das decisões tomadas na legítima instância do partido, a Executiva Nacional. O programa não me representa", crava o ministro pernambucano, alfinetando o atual dirigente.

O tucanato tem quatro ministros no governo Michel Temer e o programa partidário enaltece o parlamentarismo e critica um "presidente sem força para governar e sem apoio popular", enquanto ataca o que chama de "presidencialismo de cooptação", descrevendo um sistema onde o "presidente negocia individualmente com políticos que, quando o apoiam, cobram caro".

No início do texto, Bruno Araújo faz a seguinte análise: "A mudança na Executiva do PSDB, ocorrida em maio deste ano, tinha como objetivo levar o partido a uma transição consensual até a realização de novas convenções. O programa partidário exibido hoje não se enquadra nesse espírito. Tampouco o programa é justo com a história do partido". 

Além de Bruno, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes também criticou o VT. "Tenho 30 anos de vida parlamentar e nunca recebi dinheiro ou pedi vantagens para apoiar agendas em que acredito. De quem o programa está falando?", reagiu. Ministro da Articulação Política, Antônio Imbassahy afirmou que o programa "ofende fortemente o PSDB". A roupa suja acabou sendo lavada em público.
 

Segue a nota na íntegra: "A mudança na Executiva do PSDB ocorrida em maio deste ano tinha como objetivo levar o partido a uma transição consensual até a realização de novas convenções. O programa partidário exibido hoje não se enquadra nesse espírito. Tampouco o programa é justo com a história do partido. Após o impeachment da ex-presidente, o PSDB tomou uma série de decisões no sentido de repactuar a agenda de reformas necessárias e consertar os erros do governo anterior.

Os parlamentares do PSDB têm votado em ideias em que acreditam. Por outro lado o partido tem ajudado a tirar o Brasil da crise criando novos programas sociais ou recuperando ações que estavam paralisadas.

Seguimos um caminho de compromisso e recuperação do País. Por tudo isso, esperamos da presidência interina que se conduza dentro dos limites das decisões tomadas na legítima instância do partido, a Executiva Nacional.
O programa não me representa.

Bruno Araújo, deputado federal licenciado (PSDB-PE) "

 

 Abaixo, o programa partidário veiculado nesta quinta-feira:

 

Veja também

Maia diz que discussão sobre impeachment de Bolsonaro será inevitável 'no futuro'
Política

Maia diz que discussão sobre impeachment de Bolsonaro será inevitável 'no futuro'

Em entrevista, Bolsonaro ataca STF, Maia e xinga Doria de 'moleque' e 'calcinha apertada'
Ao vivo em Datena

Em entrevista, Bolsonaro ataca STF, Maia e xinga Doria de 'moleque' e 'calcinha apertada'