Visitas ao Congresso Nacional estão suspensas de sábado a quinta-feira

Mudança na rotina se dá por questões de segurança e dos preparativos para a eleição das mesas da Câmara e do Senado

Congresso NacionalCongresso Nacional - Foto: Agência Brasil

Em função do início dos trabalhos legislativos na próxima quinta-feira (2), as visitas ao Congresso Nacional estão suspensas de sábado (28) a quinta-feira (3). A mudança na rotina das visitas se dá por questões de segurança e dos preparativos para a eleição das mesas diretoras da Câmara e do Senado e da cerimônia de abertura dos trabalhos do Poder Legislativo deste ano.

Após a retomada das visitas, os interessados em conhecer o Congresso Nacional têm de fazer o agendamento obrigatório para as terças, quartas e quintas-feiras, dias em que são realizadas sessões deliberativas da Câmara e do Senado. A visitação ao Congresso é realizada diariamente das 9 às 17h30, inclusive aos feriados.

As saídas dos grupos para as visitas ao Palácio do Congresso Nacional ocorrem a cada 30 minutos. Aos finais de semana e feriados, o atendimento aos visitantes é feito por ordem de chegada e não há agendamento para esses dias.

De acordo com a assessoria do Congresso, embora seja recomendado, o agendamento para as visitas das segundas e sextas-feiras deve ocorrer no caso de grupos com 15 ou mais pessoas. Precisam também de agendamento grupos interessados em tour com informações em inglês, espanhol, francês ou libras e grupos de pessoas com necessidades especiais.

As visitas têm duração aproximada de 50 minutos. Os visitantes podem conhecer os principais salões do Parlamento e as obras de arte, além de um pouco sobre a história e o papel do Legislativo.

Veja também

Apex retira do ar artigo que recomendava livros de desafetos do governo Bolsonaro
Conteúdo removido

Apex retira do ar artigo que recomendava livros de desafetos do governo Bolsonaro

Fundo estrangeiro rebate Mourão, vê diálogo ‘vazio’ e cobra política ambiental
Negócios

Fundo estrangeiro rebate Mourão, vê diálogo ‘vazio’ e cobra política ambiental