Caso Marielle Franco

Viúvas de Marielle Franco e Anderson Gomes dizem que motivo do crime ainda precisa de resposta

A Polícia Federal prendeu, neste domingo (24), três suspeitos de envolvimento na morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes

Marielle Franco e Mônica BenícioMarielle Franco e Mônica Benício - Foto: Arquivo Pessoal

As viúvas da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, assassinados em 2018 no Rio de Janeiro, afirmaram hoje que a motivação do crime precisa ser esclarecida após a prisão dos principais suspeitos.

A Polícia Federal prendeu, neste domingo (24), três suspeitos de envolvimento na morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Foram presos, sob acusação de mandantes, o deputado Chiquinho Brazão (União-RJ) e o seu irmão Domingos, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. Também foi preso o delegado Rivaldo Barbosa, ex-chefe de Polícia Civil do Rio, sob suspeita de tentar proteger os mandantes.

"A motivação, para mim, é algo que ainda precisa ser melhor explicado. Acredito que quando tivermos acesso a todos os documentos poderemos chegar a uma conclusão", declarou, Monica Benicio, viúva de Marielle, em entrevista coletiva à imprensa na saída da sede da Polícia Federal no Rio.

Na mesma entrevista, Ágata Arnaus, viúva de Anderson Gomes, também frisou que o caso ainda precisa de respostas. "Depois de seis anos, esse é o momento mais perto a que já chegamos da Justiça, mas ainda não tem uma resposta clara sobre a motivação. Ainda não tem a história completa", disse.

Ambas estavam bastante emocionadas nas declarações, especialmente ao serem perguntadas sobre a prisão do delegado Rivaldo Barbosa, que era o chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, e suspeito de ter obstruído as investigações. Na época, Barbosa foi a primeira autoridade a se encontrar com a família das vítimas, prometendo prioridade nas investigações.

"Ver presas as pessoas que, antes, nos abraçaram e prometeram uma solução, foi um tapa na cara, foi pisotear. É profundo e doloroso", disse Ágata. "Vamos ver como as coisas ainda vão se desdobrar agora. A dor não vai passar nunca É desesperador".

"O nome de Rivaldo Barbosa para nós foi uma grande surpresa, considerando que foi a primeira autoridade a receber a família no dia seguinte", disse Monica. Na sua avaliação, o crime foi muito bem executado, o que dificultou as investimentos. "Mas também compreendíamos que falou vontade política para ser elucidado", disse.

Monica acrescentou que é preciso aguardar os desdobramentos da investigação para que todos os envolvidos sejam identificados. "Hoje foi um passo importante para democracia, para todo o Brasil. E também o início de nova luta para que todos sejam responsabilizados e identificados".

Veja também

Padilha diz que governo vai continuar convidando dirigentes para eventos com Lula
Padilha

Padilha diz que governo vai continuar convidando dirigentes para eventos com Lula

Lula chama de "comício" inauguração de obra em Guarulhos sem presença de Tarcísio
Lula

Lula chama de "comício" inauguração de obra em Guarulhos sem presença de Tarcísio

Newsletter