A-A+

Medicamentos

Votação sobre 'kit Covid' no SUS empata em comissão após racha na Saúde e ausência da Anvisa

As diretrizes têm como principal objetivo contribuir para sistematizar e padronizar os procedimentos terapêuticos destinados aos pacientes com Covid-19 no SUS

Medicamentos do kit CovidMedicamentos do kit Covid - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

A votação da Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia no SUS) sobre o relatório que não recomenda o "kit Covid" para pacientes com suspeita ou diagnóstico de Covid-19, em tratamento ambulatorial, terminou empatada.
Em reunião realizada nesta quinta-feira (21), o Ministério da Saúde rachou. Representantes de cinco secretarias votaram contra o parecer, ou seja, tentaram evitar uma manifestação desfavorável do governo federal ao uso de medicamentos sem eficácia para a pandemia, como a hidroxicloroquina.

Já outras duas áreas da Saúde foram favoráveis ao texto. Somando o voto de outros representantes, o placar foi 6x6.
Com o empate, o parecer será submetido à consulta pública. Depois de ser consolidado, voltará à pauta da comissão.
Das entidades, o CFM (Conselho Federal de Medicina) foi contrário ao relatório. Foram favoráveis a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), CNS (Conselho Nacional de Saúde), Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde).



A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) chegou a participar da reunião, mas não votou. Em nota, a agência reguladora disse que foi representada pelo seu membro titular, o gerente geral de Medicamentos, Gustavo Mendes.
Segundo a agência, ele estava em São Paulo e em trânsito, após cumprir agenda de trabalho na cidade. Ele informou à plenária da Conitec que se ausentaria da reunião, pois estaria no voo de retorno a Brasília e, até aquele momento, não havia sido definido o horário de votação.

"Ao chegar em Brasília às 14:20, o representante entrou na plataforma da reunião e percebeu que esta havia sido finalizada e que o relatório com diretrizes do tratamento ambulatorial da Covid-19 já havia sido votado. Importante esclarecer que, independente da votação, o relatório vai para consulta pública para participação da sociedade e posterior votação para deliberação final", disse em nota.

Consta no documento, chamado de "Diretrizes Brasileiras para Tratamento Medicamentoso Ambulatorial do Paciente com Covid-19", medicamentos como a hidroxicloroquina, ivermectina, azitromicina e nitazoxanida.

As diretrizes têm como principal objetivo contribuir para sistematizar e padronizar os procedimentos terapêuticos destinados aos pacientes com Covid-19 no SUS. A intenção é que sua implementação possa favorecer a redução do índice de mortes.

O parecer da Conitec pode ser seguido ou não pelo Ministério da Saúde na hora de elaborar um protocolo de tratamento ao SUS para doenças. O documento estabelece margens para os procedimentos na rede pública, delimita o público-alvo dos medicamentos e é levado em conta no planejamento das compras públicas.

O parecer foi elaborado a partir de evidências científicas e diretrizes nacionais e internacionais sobre o tema, contextualizadas pela experiência clínica dos especialistas envolvidos.

O uso de medicamentos sem eficácia comprovada, como a cloroquina, é defendido publicamente pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e foi alvo da CPI da Covid, no Senado.

Em maio de 2020, o Ministério da Saúde cedeu a Bolsonaro e divulgou documento com orientação de uso da hidroxicloroquina desde os primeiros dias de sintomas da Covid. O papel não é um protocolo do SUS, justamente por não ter passado pelo crivo da Conitec, mas foi uma forma de o governo promover o uso dos fármacos sem eficácia.

Após a consulta pública, as contribuições e sugestões são organizadas, avaliadas novamente em reunião e inseridas ao relatório final da Conitec.

Esse relatório é avaliado pelo secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde do Ministério da Saúde, Hélio Angotti Neto, para a tomada de decisão sobre a adoção ou não das diretrizes. Caso tenha interesse, ele pode solicitar a realização de audiência pública antes da sua decisão.

Essas mesmas diretrizes foram retiradas da pauta da Conitec no início do mês. No período, o Ministério da Saúde justificou que o coordenador do grupo de especialistas, que está elaborando as diretrizes, solicitou que o relatório fosse retirado de pauta pela publicação de novas evidências científicas dos medicamentos em análise.

Carlos Carvalho, médico pneumologista e coordenador do estudo, chegou a confirmar para ao jornal Folha de S.Paulo que ele tinha pedido mais tempo para analisar novos estudos que foram publicados em setembro sobre o Regen-Cov (casirivimab e imdevimab).

O médico disse que a mudança desse relatório para outro, que não chegou a ser votado, foi em relação aos medicamentos com anticorpos monoclonais, como o Regen-Cov. A recomendação anterior é para o não uso. Agora, a sugestão é que o uso desse medicamento seja rediscutido.

"A classe dos monoclonais passou a ter uma sugestão condicional. Não é recomendado para todas as situações e será definido para quais pacientes serão usados", disse.

Ele explicou que, após a consulta pública, o grupo que elaborou o relatório irá se reunir e absorver o que for pertinente para apresentar no documento final, que será votado pela Conitec. 

Veja também

João Doria vence prévias do PSDB para disputar Presidência em 2022
Eleições

João Doria vence prévias do PSDB para disputar Presidência em 2022

Eliziane Gama será relatora da indicação de André Mendonça ao STF
Política

Eliziane Gama será relatora da indicação de André Mendonça ao STF