Weintraub recebe a PF para depor sobre citação ao STF

Ministro da Educação se envolveu em polêmica por causa de discurso em reunião ministerial realizada em abril

Abraham Weintraub, ministro da Educação Abraham Weintraub, ministro da Educação  - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, optou por ficar em silêncio durante depoimento à Polícia Federal, nesta sexta-feira (29), a fim de esclarecer a afirmação feita em reunião ministerial de que, por ele, botaria "esses vagabundos todos na cadeia, começando pelo STF".

O governo chegou a apresentar um habeas corpus ao STF (Supremo Tribunal Federal) para evitar o interrogatório, mas, diante da falta de resposta ao recurso, Weintraub atendeu à determinação do ministro Alexandre de Moraes e recebeu integrantes da PF no Ministério da Educação.

Pouco antes de protocolar o habeas corpus, o presidente Jair Bolsonaro chegou a afirmar que ordens absurdas não deveriam ser cumpridas, sem mencionar especificamente nenhum caso.

A ordem para que o ministro fosse ouvido partiu do ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito que apura a propagação em massa de notícias falsas e ameaças aos magistrados da corte.

Leia também:
Weintraub acumula polêmicas, e MEC segue ausente nas ações relacionadas ao coronavírus
Bolsonaro recorre ao STF para evitar depoimento e prisão de Weintraub no inquérito das fake news
Moraes manda Weintraub prestar depoimento à PF em 5 dias por defender prisão de ministros do STF

A decisão de Moraes ocorreu após o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril ser divulgada pelo ministro Celso de Mello. No encontro, Weintraub diz ter ojeriza de Brasília, em referência às negociações políticas, e fez fortes críticas ao Supremo."Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF", afirmou.

Veja também

Pequim acusa EUA de demonizarem China durante visita de enviada de Biden
Tensão

Pequim acusa EUA de demonizarem China durante visita de enviada de Biden

Guedes quer Trabalho e Previdência de volta após saída de Onyx para eleição
POLÍTICA

Guedes quer Trabalho e Previdência de volta após saída de Onyx para eleição