Witzel diz que Bolsonaro é despreparado e o compara a líderes autoritários

"Evidente que ele [Bolsonaro] não se preparou. Você não consegue falar com ele sobre economia, sobre reforma da Previdência", afirmou o governador do Rio de Janeiro

Governador do Rio de Janeiro, Wilson WitzelGovernador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Dizendo-se decepcionado com o governo federal, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), comparou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com os líderes autoritários Hugo Chávez, da Venezuela, Alberto Fujimori, do Peru, e Recep Tayyip Erdogan, da Turquia.

Ao apresentar nesta terça-feira (17) um balanço de seu mandato, Witzel - que almeja uma candidatura ao Palácio do Planalto - disse também que o presidente é despreparado.

"Evidente que ele [Bolsonaro] não se preparou. Você não consegue falar com ele sobre economia, sobre reforma da Previdência. A pauta é muito mais ideológica do que concreta e determinadas decisões não podem ser delegadas. Precisam ser direcionadas. Esperava mais", afirmou Witzel.

Leia também:
Ivete Sangalo barra entrada do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, em seu camarim
Bolsonaro sanciona projeto de reforma da Previdência de militares

Em um café da manhã com jornalistas, o governador fez questão de afirmar que respeita o papel da imprensa e a diversidade de opiniões. Queixando-se do vocabulário de Bolsonaro, disse que "o presidente tem um comportamento difícil. E não é de agora".

Witzel lembrou não ter conseguido cumprimentar Bolsonaro durante a solenidade de posse do presidente da República.

Alvo de ataques de Bolsonaro e bolsonaristas desde que deu sinais de que pretende ser seu adversário na disputa presidencial de 2022, Witzel disse que o vocabulário usado pelo presidente "é típico de gente com [Alberto] Fujimori, [Recep Tayyip] Erdogan, e aquele maluco lá da Venezuela, o Hugo Chávez".

Disposto a se distanciar do bolsonarismo, em cuja onda surfou até o Palácio Guanabara, Witzel criticou o neoliberalismo praticado pelo governo federal e defendeu uma correção na política econômica, sob pena de o Brasil ser tomado por uma convulsão social a exemplo de outros países latino-americanos.

"Estamos fazendo um antagonismo do PT com o Bolsonaro, discussões sobre o que se deve ensinar na escola e têm tomado um tempo. Essas discussões ideológicas animam as redes sociais. Enquanto isso os desempregados clamam por emprego e os empresários clamam por oportunidade."

Para o governador fluminense, a apresentação de propostas como a reforma do Estado, com extinção de municípios, ocupam o Parlamento sem produzir avanço econômico. "Essa é minha crítica. Não faria isso. Acho que não é o momento de ficarmos discutindo mais despesa. Estamos no limite. Propor redução de salário? Você vai reduzir salário de professor?"

Ele lembrou que grande parte do serviço público é composta por policiais, professores e funcionários da área de saúde. "Vai reduzir o salário deles em 30%? O que vai acontecer? O que aconteceu no Chile, o que está acontecendo na Bolívia, na Colômbia e na Venezuela."

Repetindo uma frase de efeito do presidente Bolsonaro durante a campanha, o governador do Rio disse que "aquele discurso mais Brasil menos Brasília está ficando no papel" e que o ativismo social tem que ter limites, sob pena de se transformar o ambiente hostil ao investimento.

Ao responder se estaria decepcionado com o governo Bolsonaro, Witzel perguntou: "Só eu? É só olhar os níveis de reprovação do presidente".

Apesar das duras críticas ao presidente e à política econômica de seu governo, Witzel minimizou o risco de retaliações. Apropriando-se de um apelido cunhado por Bolsonaro para o ministro da Economia, Paulo Guedes, Witzel diz recorrer ao posto Ipiranga para discussões de interesse do Rio.

"O que eu vejo é uma animosidade pessoal do presidente, mas que não se reflete em seu staff, que tem muita responsabilidade do que tem que fazer e sabe das consequências caso não façam o que determina a lei", disse o governador, lembrando que submeter o estado do Rio a prejuízo indevido poderia configurar improbidade administrativa e crime de responsabilidade. "Estou indo no posto Ipiranga. Estou sendo atendido."

Veja também

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país
Impeachment

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país

Carreata no Recife pede impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos
BLOG DA FOLHA

Carreata no Recife pede impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos