Wolney reage a 'assédio deselegante do PT'

Humberto cogitou que a Agricultura fosse dividida em duas pastas

O deputado Wolney Queiroz preside o PDT, que comanda a Agricultura no Estado. Humberto Costa vê identificação do PT com a áreaO deputado Wolney Queiroz preside o PDT, que comanda a Agricultura no Estado. Humberto Costa vê identificação do PT com a área - Foto: Divulgação

Presidente estadual do PDT, Wolney Queiroz não viu com bons olhos a expectativa, externada pelo senador Humberto Costa, de que o PT possa ocupar a Secretaria de Agricultura na gestão Paulo Câmara. A projeção teria a ver, segundo o petista, com o que esperam os movimentos da agricultura familiar. À coluna, o dirigente pedetista reagiu, definindo as colocações do petista de "assédio". Na última quarta-feira, Wolney recebeu Paulo Câmara em sua residência, em Brasília, em encontro reservado, como a coluna registrou e os dois tiveram longa conversa. Os ajustes em curso no primeiro escalão do socialista foram, naturalmente, à mesa. "A secretaria de Agricultura é uma pasta comandada - e bem - pelo PDT", sublinha Wolney Queiroz, cuja legenda comanda, hoje, a referida área na administração estadual. Na campanha, o MST chegou a promover ato, em Caruaru, para formalizar apoio à candidatura de Wolney Queiroz com a presença de Paulo Câmara. Ao realçar que o PT e os movimentos sociais têm presença importante na agricultura familiar, Humberto assinalou, em entrevista a esta colunista e à Carol Brito na coluna digital No Cafezinho, o seguinte: "Eu sinto que há da parte desse movimento da agricultura familiar uma expectativa de que o PT possa estar nessa área para ajudar a indicar um nome ou indicar o nome". Wolney endureceu: "Esse assédio do PT sobre ela (secretaria de Agricultura) é uma coisa deselegante. Para dizer o mínimo".

No Campo das Princesas
A hipótese considerada por Humberto Costa de um novo desenho para Agricultura, com duas pastas, é admitido nas coxias do Palácio das Princesas. "Existe essa ideia", pontua um graduado palaciano.

Divisão - Na previsão dessa mesma fonte palaciana, "o PT ficaria mais com a agricultura familiar".

Campo neutro > Enquanto o PDT e o PT miram a Agricultura, há quem aponte outros interessados na pasta e defenda como saída deixá-la com o PSB, como sempre foi.

Um passo > Ao construir uma frente política em Petrolina com o PDT e PCdoB, Lucas Ramos se antecipa ao calendário do PSB.
Cuida, desde já, de evitar que o PCdoB possa ser atraído pelo PT, que tem Odacy Amorim candidato em 2020, e que o PDT possa se aproximar do projeto de Miguel Coelho. Lucas tem nome no páreo.

Discorda > Se muitos sublinharam que José Múcio no comando do TCU seria contraponto à ausência de Pernambuco no ministério, o próprio ministro evita dar dimensão a isso.

Relativo >
"Eu, sinceramente, não acho isso uma coisa fundamental. É melhor ter alguém que não more aí e tenha sensibilidade para os problemas daí, do que alguém que more e não tenha. Assim, você teria que ter 27 ministros, um de cada Estado”, observa José Múcio à coluna.

Desagravo > A Associação Nacional de Procuradores da República prestou solidariedade à procuradora Silvia Regina. "Atacar um procurador da República pelo legítimo e competente exercício de sua função é atacar a todos", disse o presidente da entidade, José Robalinho. Refere-se à resposta do Governo do Estado à ação judicial feita de "forma pessoal e agressiva".

Caixa > Jayme Asfora apresentou projeto para obrigar a Prefeitura a divulgar sua a arrecadação com multas de trânsito e o destino dos recursos: “Está na hora de abrirmos essa caixa-preta”.

Férias >A partir da segunda-feira, estarei em período de férias. Agradeço a atenção e paciência diárias, desejo um Feliz Natal e um Ano Novo de boas notícias para todos nós. Até breve!

Veja também

Reserva de R$ 1,6 bilhão pelo governo à Covaxin já provocou dano à saúde, diz procuradora
Investigação

Reserva de R$ 1,6 bilhão pelo governo à Covaxin já provocou dano à saúde, diz procuradora

Após denúncias, governo Bolsonaro discute cancelar contrato da Covaxin, alvo de CPI e Procuradoria
Política

Após denúncias, governo Bolsonaro discute cancelar contrato da Covaxin, alvo de CPI e Procuradoria