HISTÓRIA

60 anos do Movimento de Cultura Popular do Recife é tema de exposição na Fundaj

A "Mostra Mutirão" será aberta ao público a partir dessa quarta(15), na Galeria Vicente do Rego Monteiro, no Derby

Mostra Mutirão na Fundaj do DerbyMostra Mutirão na Fundaj do Derby - Foto: Divulgação/acervo Dundaj

Há 60 anos os subúrbios recifenses ferviam com projetos de educação e cultura. Há 60 anos o golpe civil-militar acabou com o Movimento de Cultura Popular (MCP), que dava acesso a essas ações de educação e de cultura a fim de transformar a paisagem social do Recife. Iniciativa que contou com o apoio de intelectuais, educadores, artistas, estudantes e da sociedade civil, o MCP é tema da exposição Mutirão, promovida e produzida pela Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), por meio  da Unidade de Artes Visuais, de sua Diretoria de Memória, Educação, Cultura e Arte (Dimeca).

Com curadoria de Moacir dos Anjos, coordenador-geral do Museu do Homem do Nordeste (Muhne), a mostra vai ocupar a Galeria Vicente do Rego Monteiro, campus Ulysses Pernambucano da Fundaj, no Derby, com inauguração na quarta-feira (15/05), com visitação a partir da quinta-feira (16). “No Recife, em 1960, um grupo heterogêneo de pessoas se juntou com um objetivo comum e principal: combater o analfabetismo que afligia a maioria das crianças e adultos pobres na cidade. Condição que estreitava os futuros possíveis dos mais novos e mantinha os mais velhos presos a empregos mal remunerados, além de impedidos de participar de eleições – à época, somente pessoas alfabetizadas possuíam direito a voto. Uma situação que reproduzia e ampliava desigualdades entre habitantes de um mesmo território”, assinala o curador. 

Mutirão reúne mais de 200 itens pertencentes a diversas coleções públicas e privadas, incluindo fotografias, folders, cartazes, documentos, filme, objetos, jornais, livros e obras de artistas de algum modo associados ao Movimento de Cultura Popular, tais como Abelardo da Hora, Francisco Brennand, Guita Charifker, Maria Carmen e Wilton de Souza. “A exposição Mutirão apresenta uma história possível do MCP apoiada em fotografias, documentos e trabalhos de artistas que dele faziam parte. Oferece testemunho da construção de um futuro partilhado que, por breve momento, parecia ter chegado. E que, justamente por sugerir que outros arranjos sociais de vida eram possíveis, foi forçado a recuar”, diz o texto curatorial.

Essa história, observa Moacir dos Anjos, atualiza, “no tempo de agora, desejos de escrever a própria vida que foram frustrados. História que não se pode repetir, mas que inspira a invenção do que é hoje necessário”. A partir de quinta-feira (16/05), a visitação à exposição Mutirão pode ser feita das terças aos domingos e feriados, das 13h às 17h. A programação pública associada à mostra (debates, exibição de filmes) será anunciada em breve. Ao final, será publicado um catálogo.

A presidenta da Fundaj, a professora doutora Márcia Angela Aguiar, destaca a importância histórica do Movimento e o repasse do que ele representou para as futuras gerações. “O Movimento de Cultura Popular está inscrito na história do Brasil e é fundamental que as novas gerações conheçam de perto este marco”, ressaltou.

Já a responsável pelo Núcleo de Artes Visuais da Fundaj, Ana Carmen, comemorou a pesquisa sociopolítica e artística que resultou na exposição. “Mutirão nos apresenta o envolvimento de uma coletividade em prol de uma grande parcela de nossa população que se encontrava à margem da educação e da cultura artística”, celebrou.
 

MCP
O Movimento de Cultura Popular, uma sociedade civil autônoma com propósitos culturais e pedagógicos, foi produto de amplo e plural debate promovido pelo então prefeito do Recife, Miguel Arraes, com intelectuais de esquerda, liberais e a igreja católica progressista sobre formas de enfrentar a miséria e o analfabetismo. Inspirado no movimento francês Peuple et Culture, o Movimento tinha o apoio de intelectuais, educadores, artistas, estudantes, representantes da igreja católica e do Partido Comunista Brasileiro.

Na sua formação, o MCP atuava nos subúrbios do Recife. Além de um programa de alfabetização de adultos, o Movimento se estendeu a outros campos, com ações como criação de galeria de arte e treinamento artistas e artesãos, formação de grupo experimental de teatro (colocando em palco questões que antes não eram encenadas), construção de praças, centros de cultura, semanas estudantis, festas dedicadas ao folclore, seminários e congressos sobre temas ligados à cultura. 

A metodologia utilizada pelo MCP para alfabetizar adultos deu origem a material didático próprio, baseado na realidade dos alunos, o “Livro de Leitura para Adultos”. Posteriormente, o educador Paulo Freire revolucionou esse método, abolindo as cartilhas e incorporando a cada grupo de alfabetização os elementos específicos de sua realidade. Assim como novas linguagens de teatro e de cinema, a "Pedagogia do Oprimido” de Paulo Freire teve origem no Movimento.  Com a eleição de Arraes ao Governo de Pernambuco, em 1962, a ideia era expandir o Movimento de Cultura Popular para o interior do Estado, ação que foi interrompida com o Golpe Civil-Militar de 1964.


Serviço:
Exposição Mutirão
movimento de cultura popular [1960-1964]
Galeria Vicente do Rego Monteiro
Campus Ulysses Pernambucano
Rua Henrique Dias, 609,
Derby Recife-PE


Abertura: 15 de maio, 18h às 22h
Visitação: 16 de maio a 3 novembro de 2024
Terça a domingo e feriados, das 13h às 17h

Veja também

Academia da Berlinda comemora com os fãs seus 20 anos de história no Clube Bela Vista
MÚSICA

Academia da Berlinda comemora com os fãs seus 20 anos de história no Clube Bela Vista

MOV Circula ocupa Terminais Integrados do Recife com exibição gratuita de cinema
CINEMA

MOV Circula ocupa Terminais Integrados do Recife com exibição gratuita de cinema

Newsletter