A-A+

ESPAÇO ABERTO

A inclusão de crianças autistas no Dia das Crianças

Crianças autistas precisam de cuidados especiais em passeios

AutismoAutismo - Foto: Tania Rego/Agencia Brasil

Neste 12 de Outubro, Dia das Crianças, e muitas delas são autistas. Segundo a Organização PanAmericana de Saúde, o Transtorno do Espectro Autista atinge 1 em cada 160 crianças no mundo. Para debater sobre o assunto e informar os ouvintes da Rádio Folha 96,7 FM sobre o transtorno e como lidar com crianças autistas em passeios, a apresentadora Patrícia Breda convidou a fonodióloga e diretora da clínica SOMAR, Alessandra Sales, para o espaço aberto do programa Conexão Notícias.  

Durante a entrevista, Alessandra enfatizou que antes de tudo, é essencial antecipar para uma criança autista o que você está fazendo, para onde vocês estão indo passear “A criança com autismo tem dificuldade na compreensão, em entender e questionar. Então, cabe a família antecipar através de indicações visuais, mostrar uma foto falando que eles estão indo para aquele lugar e o que pode acontecer.” 

Ao chegar ao local, a fonodióloga também alertou sobre a necessidade de identificação da criança com um crachá, por exemplo, mostrando que ela é autista. “A identificação é importantíssima para que as outras pessoas não vejam determinados comportamentos da criança como falta de educação. Às vezes a sociedade vê uma criança chorando, fazendo birra e fala que é por falta de limite e educação dos pais, e pode ser simplesmente por ela não estar entendendo o contexto, terem muitos estímulos sensoriais que pra ele é difícil suportar.”  

Ao longo da conversa, Alessandra também falou um pouco sobre o transtorno. “Ainda não existe uma causa específica. Mas os estudos recentes apontam para a genética, nós temos muitos casos de irmãos com autismo, e também fatores ambientes como o uso de alguns medicamentos durante a gestação,” afirma a fonodióloga. 

Segundo a profissional, alguns sinais do transtorno são bem característicos, mas não são obrigatórios. “O atraso do desenvolvimento da fala é frequente. Por volta de nove meses o bebê já emite muitos sons, já começa a ter uma intenção de comunicação. Se a criança vai passando por essa fase, até um ano de idade mais ou menos, sem ter essa troca com os pais sem emitir muitos sons, sem as primeiras palavras, é importante já ficar atento, buscar um profissional.”  

Crianças autistas também podem apresentar movimentos repetitivos como balançar a mãos e o tronco de frente para trás, andar com as pontas dos pés e dificuldade de interagir com outras pessoas ou crianças. 

O programa Conexão Notícias acontece de segunda à sexta das 10h30 até às 13h. É um programa de notícias com visão analítica dos fatos; giro de repórteres e do portal da Folha; Folha Política, entrevistas factuais, interatividade com os ouvintes e Canal Saúde. 

 

 

Veja também

Morre a radialista Rosina Braga aos 98 anos, no Recife
PERDA

Morre a radialista Rosina Braga aos 98 anos, no Recife

As lutas das mulheres cegas é tema do Resgatando Cidadania
Resgatando a Cidadania

As lutas das mulheres cegas é tema do Resgatando Cidadania