CANAL SAÚDE

Álcool e energético, uma associação de risco

Uma latinha de energético contém, em média, 70 mg de cafeína, o que equivale de três a quatro xícaras de café

Foto: Pixabay

Uma das maiores celebrações brasileiras já está ocupando as ruas das cidades com as prévias: o Carnaval. Com a festa, o consumo de bebidas energéticas para aproveitar a extensa programação, por vezes, também associado ao álcool, recebe alerta devido às consequências para o coração. Pessoas portadoras de cardiopatias, por exemplo, apresentam riscos ainda mais elevados.  Essa combinação também pode causar aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial.  
  
Uma latinha de energético contém, em média, 70 mg de cafeína, o que equivale de três a quatro xícaras de café, associada a outros componentes das bebidas, levam a liberação de adrenalina e noradrenalina, propiciando o aumento não só da frequência cardíaca e da pressão arterial, como também podendo causar espasmo dos vasos sanguíneos do coração, resultando em um infarto agudo do miocárdio.
  
Algumas pessoas podem ser portadoras de problemas cardíacos silenciosos, ainda não diagnosticados, estando sob maior risco desses eventos indesejáveis.  Indivíduos com mais de 35 anos, com fatores de risco para doenças cardiovasculares, como hipertensão arterial, diabetes, colesterol elevado, sedentarismo e tabagismo, também estão no grupo de risco.  O álcool em exagero pode levar a diversos problemas, quando misturado à energéticos e outras substâncias, podem causar desidratação, alterações do comportamento, tonturas, vertigens, coma, arritmias e descompensação de doenças cardiovasculares, levando à quadros extremos como infarto e insuficiência cardíaca. Para abordar o assunto com mais detalhes, Jota Batista, âncora da Rádio Folha FM 96,7, conversou no Canal Saúde, com o Médico Cardiologista do Hospital Santa Joana, Carlos Japhet que deu mais detalhes sobre os efeitos dos energético misturados com bebidas alcoólicas
 

Médico Cardiologista, Carlos Japhet. Foto: Divulgação


“Se observarmos os próprios energéticos, eles têm no seu próprio rótulo que não se deve consumir associado com bebida alcoólica, eles têm na sua composição algumas substâncias que automaticamente potencializam a ação prejudicial do álcool sobre o aparelho cardiovascular. O álcool  já é uma droga que dependendo da quantidade consumida  irrita o músculo cardíaco  podendo provocar arritmias e  elevar a pressão arterial. No paciente que já é portador de uma doença cardiovascular, como por exemplo uma hipertensão ou uma pessoa que já teve um quadro coronariano como a angina do peito ou um infarto, então essa associação se torna ainda mais prejudicial.” A cafeína que é uma das composições, junto com a taurina e com guaraná e outras substâncias, eles neutralizam o efeito sedativo do álcool e automaticamente as pessoas que ingerem o energético juntamente com o álcool passam a consumir o álcool numa quantidade muito maior e isso é extremamente prejudicial”
 
 


O médico também frisou a importância de se hidratar, principalmente após o consumo de energéticos e bebidas alcoólicas, ainda mais nesse período carnavalesco
 

“O álcool já é uma droga que deixa você desidratado, que faz você perder líquido, então imagine isso numa temperatura que estamos aqui, elevada, junto com uma atividade, acompanhando um bloco (neste carnaval), você perde muito mais água, então você vai ficar muito mais desidratado, então a água é fundamental para o metabolismo do nosso corpo no dia a dia..” e isso associado com energético que vai fazer com que você consuma muito mais bebida alcoólica, certamente essa associação vai trazer um prejuízo enorme para o seu coração e para o corpo de maneira geral” disse o especialista
 

Se interessou? Ouça o podcast no player abaixo.

 

Veja também

Dom Hélder passa a integrar livro dos Heróis e Heroínas de Pernambuco
HOMENAGEM

Dom Hélder passa a integrar livro dos Heróis e Heroínas de Pernambuco

CEMITE lança campanha de sensibilização para o banho de mar seguro
PRAIA SEGURA

CEMITE lança campanha de sensibilização para o banho de mar seguro