SAÚDE

Especialista detalha o processo de congelamento de óvulos escolhido por Juliette Freire

O embriologista Paulo Matheus enfatiza que o procedimento protege as chances de engravidar sendo uma alternativa valiosa para preservar a fertilidade feminina

Foto: Reprodução/ Instagram

Em um cenário em que a maternidade é encarada com diferentes perspectivas ao longo do tempo, o congelamento de óvulos se destaca como uma estratégia crucial, oferecendo oportunidades de gravidez e empoderando mulheres em suas jornadas reprodutivas. A recente decisão de Juliette Freire, vencedora do BBB21, de iniciar o processo de congelamento de óvulos, não apenas evidencia essa tendência, mas também destaca a liberdade que esse procedimento proporciona. Para proporcionar uma visão mais aprofundada sobre essa tecnologia inovadora, o renomado embriologista especializado em reprodução humana, Paulo Matheus, esclarece o método, ressaltando seu impacto positivo e transformador.

"O congelamento de óvulos oferece liberdade para a mulher engravidar depois dos 38 anos. Normalmente, as mulheres estão focadas em desenvolver suas carreiras, viajar e encontrar um parceiro. O ideal é que até os 35 anos ela congele, pois essa é a melhor fase reprodutiva da mulher até os 35 ou 36 anos. Esta é uma clara demonstração de como essa inovadora tecnologia pode viabilizar a realização dos sonhos de ser mãe em qualquer fase da vida", destaca o diretor da Donare Centro de Reprodução Humana, Paulo Matheus.

A técnica de congelamento de óvulos, adotada por Juliette e utilizada desde os anos 80, foi inicialmente concebida para preservar a fertilidade durante tratamentos contra o câncer. Esse processo abrange a indução da ovulação por meio de hormônios, seguida pela coleta e congelamento dos óvulos.

Ao detalhar o procedimento, o embriologista enfatiza a simplicidade do processo, proporcionando uma experiência confortável para os pacientes.

"É um procedimento tranquilo, geralmente leva cerca de 10 a 14 dias, realizado por ultrassom vaginal, com uma sedação leve. No dia da coleta, a paciente permanece na clínica por cerca de 120 minutos e já pode ir para casa", destaca.

Em relação às chances de sucesso, o especialista Paulo Matheus destaca que estas variam significativamente de acordo com a idade da paciente no momento do congelamento dos óvulos e a quantidade que sobrevive ao processo de descongelamento.

“Contudo, é fundamental compreender que a idade no momento do congelamento desempenha um papel crucial na determinação da viabilidade e eficácia do processo. O ideal é que até os 35 anos ela congele, pois essa é a melhor fase reprodutiva da mulher até os 35 ou 36 anos", pontua. "A partir dos 38 anos, a fertilidade dela começa a diminuir. Então, exceto nos casos oncológicos, o congelamento é recomendado para preservar a fertilidade e a liberdade nessa idade. Acima dos 38 anos, a chance de uma gestação natural e de a criança nascer com síndrome cromossômica, como a Síndrome de Down e outras, aumenta significativamente. Depois dos 40 anos, essa chance aumenta ainda mais. Isso ocorre porque os óvulos envelhecem junto com a mulher, e com a idade cronológica, o ovário também envelhece”, ressalta.

Se a paciente decidir mudar de ideia no futuro, Paulo Matheus destaca que existem opções disponíveis, como solicitar o descarte dos óvulos ou considerar a doação, uma prática regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) desde 2021.

O embriologista enfatiza que a tecnologia moderna, aliada à orientação profissional, capacita as mulheres a tomar decisões informadas sobre sua jornada reprodutiva.

“O congelamento de óvulos não é apenas uma opção médica, mas um passo que transcende o tempo, proporcionando autonomia e a liberdade de decidir quando é o momento certo para dar vida aos seus sonhos de maternidade”, concluiu.

Veja também

Doença renal crônica na infância
CANAL SAÚDE

Doença renal crônica na infância

Câmara do Recife celebra 60 anos do Arcebispado de Dom Helder Camara
DOM HÉLDER

Câmara do Recife celebra 60 anos do Arcebispado de Dom Helder Camara

Newsletter