CULTURA

Primeira edição do “No Meu Bairro Tem Axé” homenageia terreiro na Cidade Tabajara, em Olinda

O evento acontece neste sábado, 27, das 15h às 23h com grande programação aberta

Maracatu de Baque SoltoMaracatu de Baque Solto - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

A palavra “Axé” tem origem no idioma iorubá e representa o poder, a energia e a força presentes nos seres vivos e nos objetos, dialogando com os ensinamentos das religiões africanas e afro-brasileiras. As crenças que foram trazidas de África pelos homens e mulheres negras escravizadas por muito tempo tiveram que usar do sincretismo para resistir ao longo do tempo, mas não mais.

O evento “No  Meu Bairro tem Axé” traz destaque para os bairros da Região Metropolitana do Recife em que existem terreiros e premiam a atuação das suas lideranças para o bairro no qual estão localizados. A primeira edição do evento acontece neste sábado, 27 de novembro, das 15 às 23h, no bairro Cidade Tabajara, em Olinda, na Grande Recife, para homenagear a Iyalorixá do terreiro Ylê Axé Egunytá, Mãe Jane de Oya. Para falar sobre o assunto, a apresentadora Patrícia Breda, da Rádio Folha 96,7 FM, entrevistou um dos idealizadores e coordenadores do evento Maxwell Lobato, no programa Folha na Tarde desta sexta-feira, 26.

O lançamento do projeto no mês de novembro celebra o mês da Consciência Negra, mas deve acontecer mensalmente em diferentes bairros da Região Metropolitana do Recife para que as religiões de matriz africana sejam celebradas e suas contribuições para a região onde estão sediadas sejam homenageadas.

A iyalorixá inaugurou o seu primeiro terreiro no bairro de Jatobá, em Olinda, e anos depois se mudou para a Cidade Tabajara, onde colabora ativamente para melhorias para o povo de terreiro e para a comunidade que já por várias vezes foi contemplada com doação de cestas básicas, e com o projeto governamental Leite para Todos. O desejo futuro  de mãe Jane de Oya é inaugurar a sede do Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento Social (NANCI) para dar assistência à saúde, à educação e a questões judiciais paras as comunidades dos arredores do terreiro.

Além disso, o evento tem o objetivo articular artistas, coletivos, terreiros, movimentos em prol da defesa e fluição da cultura e da arte popular afro-brasileira e indígena em Pernambuco, contando também com apresentações artísticas de grupos locais de maracatu, afoxé, côco de roda, entre outros ritmos. A programação da primeira edição conta com apresentações da Nação Mulambo, Interversão Poética, Coco do mestre Biu, SLAM Negro, Los Negrones, Dj Isa ou Isa.

O evento é realizado pelo Centro Cultural Quilombo de Pindoramas e pelo Levante Popular da Juventude, apoiado pela Prefeitura de Olinda; Campanha Mãos Solidárias; Federação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado de Pernambuco (Fetape); Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ; Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos (MTD), Marcha Mundial das Mulheres (MMM) ; Consulta Popular; do Sindicato do Bancários; terreiro Ilê Axé Oyá Ogunytá, deputado federal Carlos Veras, vereadora Flávia Hellen, Ozograf, Mercadinho Cristal, Wellington Mesas e Cadeiras, Pitter Gráfica, Ilê Sobô Nirê Mafá - Casa de Malunguinho, Côco de Dendê e Côco de Mestre Biu.

Serviço: “No Meu Bairro Tem Axé”

Local: rua Dinamarca, S/N, Cidade Tabajara, Olinda. (Antiga feira livre da Cidade Tabajara)
Quando: 27 de novembro de 2021 (sábado), das 15 às 23h

Entrada: gratuito 

Veja também

Dermatologia aliada nos processos estéticos é tema do Canal Saúde
CANAL SAÚDE

Dermatologia aliada nos processos estéticos é tema do Canal Saúde

Cerveja de 400 anos é recriada no Equador com "ressurreição" de levedura encontrada em fungo
Arqueologia cervejeira

Cerveja de 400 anos é recriada no Equador com "ressurreição" de levedura encontrada em fungo