Alimentos que ajudam a diminuir a ansiedade

Conheça o cardápio que ajuda a reduzir os sintomas ligados a questões emocionais

Alimentos contra a ansiedadeAlimentos contra a ansiedade - Foto: Arte/Folha de Pernambuco

Quem abre a geladeira de casa depois de um dia difícil, encontra na comida o conforto imediato às sensações ruins. É como se, naquele momento, tudo fosse amenizado em nome da alegria e bem-estar que certos alimentos proporcionam instantaneamente. É nesse exato momento que a escolha deve ser repensada em nome dos ingredientes que ajudam a combater sentimentos de inquietação e irritabilidade. Você saberia dizer quais são eles?

De acordo com a nutricionista Cintya Bassi, do Grupo São Cristó­vão Saúde, a rotina carregada po­de ser grande causadora de fadiga física e emocional, que leva a desenvolver esses quadros de ansiedade. Para começar, ela indica itens ricos em vitaminas do complexo B, necessários para o funcionamento adequado do sistema nervoso e de carboidratos que fornecem energia. Em seguida, repor substâncias como o magnésio, que estimula o cérebro e aumenta a sensação de tranquilidade. Acelga e espinafre são ótimas pedidas.

“Ainda, frutas vermelhas como amoras, framboesa, cerejas e outras, bem como algumas especiarias, como o gengibre, que são alimentos antioxidantes e, portanto, reduzem os níveis de cortisol, combatendo a ansiedade”, destaca a especialista, que completa essa lista do bem com lentilha, feijões e aspargos, abundantes em ácido fólico, úteis na prevenção à depressão, por colaborar com a produção de serotonina no cérebro.

Já a nutricionista Isis Graziela Rodrigues lembra a importância de fortalecer a microbiota e oferecer nutrientes antiinflamatórios e ricos em ômega 3, magnésio, vitamina B6, vitamina D, entre outros. “inclua sardinha, salmão, atum, linhaça, banana, castanhas, cereais integrais, aveia, chocolate integral e folhas verdes escuras. Abacate também é uma excelente estratégia pois ajuda a reduzir o cortisol - hormônio relacionado ao estado de alerta”.

Para a nutricionista Helenice Rosa, é importante abastecer a despensa com produtos ricos em triptofano, como banana, aveia e cacau. “Excelente consumir todos os dias. Em lanchinhos, ou antes de dormir, para melhorar a produção da melatonina. Outra dica é o grão- de-bico. Não à toa, ele é conhecido como o grão da felicidade e pode ser usado em refeições ou em diversas receitinhas com a farinha dele, até em docinhos ou omelete sem ovos, o grãomelete”, sugere.

Leia também:
Ervas e temperos: ingredientes na panela e para a saúde
Desnutrição e obesidade: dois enormes problemas
Pimenta-do-reino é a rainha das especiarias


Cuidado com o impulso
Mas a questão que passa despercebida para muita gente é saber diferenciar a fome verdadeira da atitude de impulso. A maneira mais fácil de fazer isso, segundo Cintya Bassi, é beber um copo d’água e aguardar alguns minutos. “Se ainda assim o estômago parecer vazio, busque algo saudável e dedique tempo para as refeições, preparando e mastigando bem os alimentos”, completa.

Além disso, quando chegar em casa, não vá direto para a cozinha. É importante descansar e respeitar o horário certo para a alimentação. Ao preparar o prato, não comece a comer antes de sentar à mesa. Quando estiver bem acomodado, tente mastigar bem os itens, focando nos benefícios para o corpo e não no que pode estar saboroso naquele momento. Os ingredientes estimulantes do sistema nervoso, por exemplo, devem ser consumidos com moderação. “É o caso de energéticos, refrigerantes à base de cola e cafeína, chocolate ao leite, álcool, excesso de açúcar e gorduras”, finaliza.

Veja também

Obesidade: ganho de peso tem a ver com genes
Saúde

Obesidade: ganho de peso tem a ver com genes

Arroz: descubra os substitutos à altura de uma parceria com o feijão
Gastronomia

Arroz: descubra os substitutos à altura de uma parceria com o feijão