Brasileiro come muita carne vermelha, diz pesquisa

studo que atribui ao Brasil o posto de maior consumidor de carne vermelha no mundo faz nutricionistas alertarem sobre os excessos

carne vermelhacarne vermelha - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Uma pesquisa divulgada recentemente pela ONG World Resources Institute revelou que o Brasil é o maior consumidor de carne vermelha no mundo, numa média de 140 calorias diárias por pessoa. Número preocupante, que no estudo intitulado “criando um futuro alimentar sustentável” promove efeitos devastadores no planeta, como destruição de territórios e de espécies. Já em termos de saúde, nutricionistas reforçam os malefícios da ingestão excessiva de gordura, por meio de algumas carnes presentes no dia a dia.

“A depender do tipo de corte, principalmente as que tenham muita gordura aparente, ela será ainda mais rica em colesterol. A consequência imediata é o aumento de peso, a partir dessa alimentação de má qualidade”, adianta a nutricionista Helen Lima. Se a concentração de gordura é alta no organismo, as chances de desenvolver problemas cardiovasculares também aumentam, a exemplo do infarto e do Acidente Vascular Cerebral (AVC). Tão comuns entre os brasileiros.

De olho no aumento significativo da população mundial em 2050, que deve chegar em 10 bilhões de pessoas, a pesquisa sugere atitudes que amenizem os impactos globais. A principal orientação vai para os brasileiros reduzirem o consumo de carne de forma relevante. A meta é limitar a 52 calorias por dia por pessoa nos próximos 30 anos. Um terço da quantidade atual. Por outro lado, a população da África, do Oriente Médio e da Ásia, podem manter ou até aumentar o consumo. “Isso porque estamos falando de um alimento chamado de construtor, rico em proteína e fonte de vitamina B12”, completa Lima.

Ainda de acordo com a especialista, é possível manter um consumo saudável se respeitada a ingestão de uma ou duas porções diárias. “O ideal é apostar na variedade, dando preferência à carne branca e magra. Evitar, principalmente, os processados, a exemplo da salsicha, do hambúrguer industrializado e da maioria dos enlatados”, reforça. A opção mais segura de levar a carne vermelha ao prato é na forma grelhada, cozida ou ao forno. “Evitar fazer fritura ou acrescentar molhos muito condimentados, pois eles têm um teor de sódio maior que o normal”, reforça.

Leia também:
Prepare uma moqueca com carne de caju
No lugar de carne, aveia
Carnes de pena (1ª parte)


Já a nutricionista Hallina Hayalla lembra que alguns estudos apontam para as chances de se desenvolver câncer de cólon e do reto, a partir do exagero à mesa. “Porque a carne vermelha possui grandes quantidades de ferro heme, nutriente essencial ao corpo, mas que, em excesso, pode ter efeito tóxico”, diz. Ainda de acordo com os últimos levantamentos, quem não abre mão daquele pedacinho gorduroso todo dia na hora do almoço e até mesmo no jantar tem 40% a mais de chances de desenvolver um problema como esse.

Veja também

Saiba a diferença entre o vinho natural, orgânico e biodinâmico
Vinho

Saiba a diferença entre o vinho natural, orgânico e biodinâmico

Breja Mais lança kit harmonizado para atrair cervejeiros
Cerveja

Breja Mais lança kit harmonizado para atrair cervejeiros