A-A+

Acordo de Lisboa

Casas de champanhe francesas denunciam nova lei russa de rotulagem

Os produtores franceses se beneficiam de uma denominação de origem controlada

ChampanheChampanhe - Foto: Pixabay

As casas de champanhe francesas pediram, nesta segunda-feira (5), ajuda diplomática sobre uma nova lei russa que reserva o termo "champanhe" para vinhos espumantes produzidos na Rússia.

Os produtores franceses se beneficiam de uma denominação de origem controlada, que supostamente lhes dá o uso exclusivo da palavra "champanhe" nos países que aderem ao Acordo de Lisboa sobre indicações geográficas distintas.

Mas a Rússia não assinou este acordo e, na sexta-feira (2), o presidente Vladimir Putin assinou uma lei que proíbe o uso da tradução russa do champanhe - "Shampanskoe" - em garrafas importadas.

Os produtores franceses ainda poderão usar a palavra em francês, mas também terão que escrever "vinho espumante" no verso das garrafas, uma heresia para essas marcas.

Eles "pedem aos diplomatas franceses e europeus que obtenham a emenda desta lei inaceitável", disse o Comitê de Champagne, que reúne vinicultores e produtores da região de Champagne, no nordeste da França, em um comunicado.

Denunciaram uma medida "escandalosa" que "questiona mais de 20 anos de negociações bilaterais entre a União Europeia e a Rússia sobre a proteção de denominações de origem controladas".

Moët Henness, de propriedade do conglomerado de luxo LVMH, disse no domingo que vai cumprir a lei e retomar as exportações de suas marcas, incluindo Dom Perignon, Moët & Chandon e Veuve Clicquot, "o mais rápido possível".

Veja também

Quarta onda do café sinaliza um mercado de consumidores experientes
Gastronomia

Quarta onda do café sinaliza um mercado de consumidores experientes

Você costuma assaltar a geladeira à noite? Saiba como evitar a fome noturna
Saúde

Você costuma assaltar a geladeira à noite? Saiba como evitar a fome noturna