Conheça a coquetelaria além da caipirosca

A criatividade que habita nos bartenders garante a produção de drinques autorais e releituras, que conquistam uma preferência fora da rota de consumo

Drinques do Cobra valorizam insumos brasileirosDrinques do Cobra valorizam insumos brasileiros - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

O papo no balcão já não é o mesmo de tempos atrás. No cenário de hoje, a bebida é entregue sem a menor intenção de ser mera coadjuvante. Tem sabor e estilo complexos, que fazem a conversa entre cliente e bartender fluir acerca de ingredientes, criação e até a história daquele drinque. Elementos de consumo cosmopolita, atento à infinidade de opções que a coquetelaria tem para oferecer.

Tudo bem que o Brasil não possui a cultura dos coquetéis semelhante à Inglaterra ou os Estados Unidos. Menos ainda se o recorte se voltar para o Nordeste, onde o paladar conserva o gosto pela cachaça pura e pelo uísque com gelo. Misturá-los com ingredientes fora da rotina sempre soou arriscado. Terre­no em que caipirinhas e caipiroscas dominaram com folga, apoiados pelo marketing incisivo de grandes marcas. O espaço só começou a ampliar com a via de mão dupla criada entre a demanda dos novos clientes e o poder de oferta dos bartenders.

“Hoje, quando o dono de estabelecimento percebe que o concorrente tem uma carta de drinques e ele não, já corre para ter algo na casa. Tem sido assim em lugares que antes nunca tratariam a coquetelaria como foco”, adianta o mixologista e bartender Luciano Melo, que, ao lado do sócio Bruno Amisterdan, comanda o Pina Coktails, na Zona Sul do Recife. Além do trabalho diário na casa, a dupla presta consultoria para bares, restaurantes e até rede de hotéis atentos no boom do consumo.

“Levamos em conta a estrutura para o trabalho no dia a dia, a presença de uma mão de obra correta e, finalmente, uma carta coerente com o público”, diz Luciano. Nessa concepção, as receitas autorais se encaixam melhor em relação às clássicas, como negroni, moscow mule, daiquiri e outros em que a expectativa do resultado é maior. “Ter um ou outro não é problema. Gin tônica bem feito é essencial”, completa, ao apontar para a pedida que mais tem movimentado o balcão.

Não à toa, o destilado à base de cereais é considerado a mola propulsora desse mercado atualmente, graças ao investimento de empresas que trouxeram grandes marcas para o Brasil e de uma onda estimulada pelo life style europeu. No Recife, o Em Cima, localizado na Zona Sul, é endereço com mais de 40 rótulos de gin, com preço médio de R$ 22 a dose de uma garrafa importada. “Apesar de ter um cardápio com todas as bebidas destiladas, além de vinhos e cervejas, 75% do que vendemos é relacionado ao gin”, garante o proprietário Emerson Pires. Para ele, cada geração tem a bebida da sua época . “Sua versatilidade e variedade tem atraído cada vez mais admiradores, sejam os adeptos de um drinque mais complexo ou dos que apreciam a sua fórmula pura, tentando descobrir as especiarias utilizadas em seu processo de fabricação”, acrescenta.

Drinques Jiboia e Curumim do Cobra Restaurante

Drinques Jiboia e Curumim do Cobra Restaurante - Crédito: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Para comer e beber
No contexto de bares e restaurantes, bebida e comida andam de mãos dadas. Quando um enaltece o outro, a experiência é completa. Mas como estabelecer esse diálogo, diferentemente do vinho? Para a sócia do projeto pop up Cobra, Nina Wicks, é pensar num discurso único. “A concepção da nossa carta de drinques era que acompanhasse a proposta de trabalhar a cozinha brasileira revisitada, utilizando insumos e especiarias brasileiras, de forma criativa, acompanhando o cardápio de comida”, resume.

Na prática, é se deparar com insumos nativos, tanto no prato quanto no copo. Foi assim nas duas últimas temporadas do Cobra, e segue na nova edição, que começa neste fim de semana, no bairro do Parnamirim. Em meio às novidades gastrôs, a produção etílica, assinada pelo chef Lucas Muniz, segue firme e forte. “Tem o Martini de umbu e jambu, com misto de cachaça de amburana (R$ 18). O curumin, que é um gin infusionado de urucum, mais citrus mix, xarope de limão siciliano e água de flores (R$ 18), além do jiboia, feito com caju, hortelã e vodca, finalizado com espuma de frutas vermelhas (R$ 20)”, aponta Nina. O resultado é um consumo de drinques maior do que todas as outras ofertas alcoólicas, como cerveja, vinho e espumante.

Já no restaurante Le chef, na Zona Sul do Recife, a chef Taciana Teti diz que, embora feitos separadamente, os cardápios de comida e bebida seguem a linguagem clássica. Vale para as receitas feitas com gin, vodca e rum, que formam parte da base alcoólica do novo cardápio com pedidas tradicionais e de assinatura. No momento, 70% das vendas vai para caipifrutas e moscow mule - vodka, gengibre, sumo de limão e espuma cítrica. Já no Reteteu - Comida Honesta, na Encruzilhada, um bar dá conta das produções autorais que circulam pela casa. No restaurante Cá-Já, os coquetéis, que começaram de maneira discreta, terão um espaço para chamar de seu em breve. Além de drinque da casa, gin tônica, Aperol e outros, uma carta feita pela Pernod Ricard promete movimentar uma nova área de produção de bebidas.


Preferência do público
Segundo o chef Lucas Muniz, antigamente as pessoas iam para os restaurantes e tomavam vinho e cerveja, mas não se arriscavam tanto na coquetelaria. No entanto, ele conseguiu um feito curioso no seu Ursa Bar, também na Zona Norte: fazer as pessoas saírem de casa já pensando em consumir esse tipo de bebida. “É um projeto do começo de 2017, com carta quase toda autoral minha e alguns clássicos”, emenda.

Por ser graduado em Gastronomia, o lado bartender leva em conta a sua formação. “Eu sempre penso no drinque montado com outras nuances de sabor. Gosto de utilizar as matérias-primas que eu mesmo produzo, e isso já é diferente. No mais, levo em conta o público e o clima daqui, que se aproximam do paladar cítrico e levemente doce. Não à toa, a tendência para 2020 são opções mais refrescantes e com frutas”, detalha.

Leia também:
Como a França revolucionou a gastronomia
Quer emagrecer? Modere na bebida alcoólica
Conheça trabalhos que são 'fora da curva' na gastronomia


A volta o Pina
Depois do incêndio que tirou o Pina Coktails de cena, o bar reabriu há dois meses, em novo endereço, com a mesma aura de speakeasy - ou bar clandestino - que o consagrou desde o início. A decoração é rústica, com a intenção de enaltecer o paredão de garrafas. Segundo Luciano Guimarães, a carta segue o interesse das pessoas por drinques mais alcoólicos, com bom aproveitamento de uísque, gin e rum, por exemplo. Na casa,que fica no Pina, um quintal dará espaço ao bar chamado Kaau, onde cerveja e outras produções desse tipo de operação ganharão espaço. “Para mantermos essa ideia do bar secreto, projetamos outro bar na área da frente - com certa influência tiki - bares isolados da cena urbana - como sendo a porta de entrada dos clientes, no lugar de um segurança na frente, como antigamente”, diz o sócio Bruno Amisterdan. Em tempo, o Kaau está previsto para setembro. Fica na rua Estudante Jeremias Batos, 153. Informações: 99216.7329.

Endereços:
Camarão Camarada
Instagram: @camaradacamarao
Recanto Paraibano
Instagram: @recantopb
Le Chef
Instagram: @lechefbistro
Reteteu Comida Honesta
Instagram: @reteteucomidahonesta
Em Cima
Instagram: @emcima.bar
Cá-Já
Instagram: @vempracaja
Ursa Bar
Instagram: @ursa_barecomedoria
Cobra - Cozinha brasileira revisitada
Instagram: @cobrarestaurante

 

Veja também

Jessica Pires lança novo cardápio de bolos inspirado nas cores do Natal
Doces

Jessica Pires lança novo cardápio de bolos inspirado nas cores do Natal

Choco Thunder Box: brownie do Outback é a aposta para presentes de fim de ano
Presente

Choco Thunder Box: brownie do Outback é a aposta para presentes de fim de ano