Escolhas conscientes ajudam a manter a dieta na Páscoa

Mesmo neste período, combinações podem resultar em um cardápio saudável

Escolhas conscientes ajudam a manter a dieta mesmo no período de Páscoa.Escolhas conscientes ajudam a manter a dieta mesmo no período de Páscoa. - Foto: Folha de Pernambuco

Mais um feriadão no calendário e o dilema em torno da dieta se renova: hora de baixar a guar­da, ou não? A resposta, no entanto, pode ser bem menos ‘sofrida’ do que se imagina. Is­­so porque certas combinações podem resultar em um cardápio saudá­vel, sem perder o sabor que atinge em cheio a memória afetiva de mui­ta gente. Começa com a escolha adequada de acompanhamentos pa­­­ra o prato principal e termina com o bom senso na hora da sobreme­­sa e o famigerado ovo de Páscoa, que deve ser apreciado com moderação.

De início, vale lembrar que o prato típico da época, o bacalhau, é uma pedida de fácil digestão com nutrientes que incluem ferro, fósforo, magnésio, vitamina A, D e E, além de uma boa fonte de ácido graxo poliinsaturado, como o ômega 3. Este tem a função de reforçar a imunidade, auxiliar na regulação da insulina e ser antioxidante e antiinflamatório, contribuindo para a redução dos níveis sanguíneos de colesterol.

“Mas fiquem atentos, pois o bacalhau é um alimento rico em sal, pessoas que possuem hiperten­são, devem ter cuidado com a quantidade no consumo. O que pode amenizar a ingestão é fazer uso dele dessalgado e, mesmo assim, deixar de remolho em água”, sugere a nutricionista Roberta Morgana. Nas boas alternativas em relação ao prato principal entram na lista sardinha, agulha e surubim.

Na hora do preparo, vale escolher complementos magros, a exemplo de leguminosas em grãos, como lentilha, arroz integral com castanhas ou legumes, purê de abóbora ou raiz e tubérculos. Mas nada disso valerá, se na panela, entrarem mo­lhos ricos em gordura, como creme de leite e molhos de queijo.

Até então, escolhas mais fáceis de fazer, se comparado ao que muitos consideram a tentação do período. “O próprio chocolate poderia ser consumido com maior teor de cacau, acima de 70%, em pequenas porções. Significa que o problema não é o consumo do doce, mas o exagero dele”, conta a especialista.

Ela ainda orienta evitar o chocolate branco, que, por não conter massa de cacau, acaba não proporcionando benefícios à saúde. “O grande vilão nessas épocas é o exagero, seja em relação à quantidade no prato ou na forma de preparo, assim como o exagero no álcool associado à baixa ingestão de água”, completa. Caso abusos sejam cometidos, a dica é não compensar nas outras refeições ficando em jejum. A recomendação ideal é retornar à alimentação equilibrada o mais breve possível e associar com a prática de atividade esportiva, optando por refeições leves e ricas em vegetais e proteínas magras como o peito de frango e peixes.

Serviço >
Roberta Morgana
Av.João de Barros, 1279, Espinheiro
Informações: 3241.4772

Veja também

Você sabe diferenciar fome e ansiedade?
Exageros

Você sabe diferenciar fome e ansiedade?

Dia da Gula: você tem fome de quê?
Pandemia

Dia da Gula: você tem fome de quê?