A-A+

Mesa pronta para o café da manhã em Triunfo

Pousada no Sertão pernambucano valoriza produção artesanal de pães, doces e cafés

Compotas também estão à vendaCompotas também estão à venda - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

por­tante quanto qualquer outro item de viagem. É co­mo se o dia só começasse de­pois de uma mesa bem pos­ta, abastecida por aquelas receitas difíceis de fazer na rotina de casa. Então não se acanhe em caprichar na ida ao bufê da pousada Café do Brejo, em Triunfo, no Sertão de Pernambuco. O lugar pede mesmo para ser admirado a partir da gastronomia farta, repleta de pães e doces artesanais, dignas de uma autêntica cozinha rural.

Não precisa ser hóspede para chegar ao restaurante, localizado nos fun­dos da pousada, e aproveitar o serviço do café, entre 7h30 e 9h45h. Os visitantes também têm acesso à mesa diariamente montada com frutas, pães, frios e pratos quentes, pelo valor fixo de R$ 35. O clima da Serra ajuda. A cidade está a mais de mil metros de altitude, favorecendo temperatura amena na maior parte do ano. Nesse contexto, é fácil aproveitar itens como os pães de caixa que originaram as demais produções próprias.

“Fazíamos o pão para os funcionários do sítio, no começo dos anos 2000. Mas familiares e amigos gostaram tanto, que começamos a aumentar a produção. Hoje, é feito de farinha comum ou integral”, lembra o proprietário José Alberto, mais conhecido como Bel. Ao lado da esposa Teca, ele administra o lugar, que começou com o aluguel de um único chalé de apenas dois quartos, em 2005. Hoje, são mais de 20 apartamentos e três chalés. E como hospedagem e alimentação combinam, o cardápio do restaurante foi se desenvolvendo a partir das receitas da matriarca da família. A essa altura, o pãozinho de textura macia, que ainda pode ganhar massa de batata-doce, macaxeira ou jerimum, já era um sucesso entre o público. Faltava algo para acompanhar.

Do caderninho de Teca saíram as geleias de banana, laranja, goiaba e manga, feitas com açúcar no pon­to. O toque doce ainda se esten­deu para a produção de compotas de caju, mamão e batata-doce, que resgatam os sabores do Interior. A depender do período de safra dos insumos, é fácil encontrar todos eles no bufê e em potinhos para levar. A média de preço para laranja em calda, por exemplo, é de R$ 35, o recipiente com 150ml, livre de qualquer conservante industrial.

Leia também:
Está tudo sendo defumado na gastronomia?
Quando a moda pega na gastronomia

Direto para a xícara
Outra vocação natural da casa é o cultivo do café. Não à toa, ele estampa a fachada da pousada, graças às duas variedades do tipo arábica preservadas no terreno. Distante a poucos quilômetros dali, no ponto mais alto de Triunfo, está outra pro­priedade da família com mais quatro variações. “Totalizando a­nualmente a produção de 20 mil/kg de café”, pontua o barista Gabriel Althoff, filho de Bel e Teca. A colheita abastece mais de 35 cafete­rias e restaurantes no Recife, incluin­do o endereço da marca própria, o Café do Brejo, localizado no bairro de Santo Amaro, no Centro do Recife.

Veja também

Carne de porco pode ser alternativa acessível e nutritiva à mesa
Gastronomia

Carne de porco pode ser alternativa acessível e nutritiva à mesa

Restaurante nordestino aposta na fartura dos pratos com ingredientes regionais
Regional

Restaurante nordestino aposta na fartura dos pratos com ingredientes regionais