A-A+

Os pés no Recife e o coração no Japão

Mercearia Oriental, no Pina, vende mais que comida: oferece memória aos imigrantes

Combinados são preparados pela família UchimuraCombinados são preparados pela família Uchimura - Foto: Ed Machado

Numa pequena loja no bairro do Pina, a família Uchimura preserva um pouco da cultura japonesa, vendendo ingredientes e utensílios da sua culinária nativa. E daí já se vão 15 anos da fundação da Mercearia Oriental que, apesar de econômica no tamanho, é o porto seguro para muitos imigrantes saudosos de sua comida e dos hábitos tradicionais do país de origem.

Pessoalmente, eu já tinha ouvido falar da lojinha, mas nunca tive uma grande curiosidade - afinal, não sou exatamente uma aprendiz de sushiman -, até que minhas andanças em busca de pratos quentes orientais me fizeram parar lá: fui atrás do lamen, por indicação de seguidores do meu Instagram, e não me arrependi. 

Há cerca de um ano, mãe e filho, Marly Montarroyos e Michel Uchimura, incrementaram o mix do empório e criaram um cardápio enxuto e passaram a vender comida no próprio salão; e o boca a boca tem feito a frequência de clientes crescer, agregando um novo público que, como eu, não cozinha em casa, mas adora a culinária da terra do sol nascente.

“Hoje, além de cumprir com a concepção original de atender aos imigrantes, a Mercearia atende a chefs de cozinha, estudantes de Gastronomia, restaurantes orientais e, é claro, os apaixonados por sushi tradicional”, diz Michel.

Como uma cozinha familiar, Marly e Michel se revezam com dois funcionários, Marcelle Campelo e Edson Victor de Lima, nos preparos de combinados e pratos quentes - que, na minha opinião, são os melhores itens do menu.

INCOMUNS
Uma descoberta deliciosa é o ina­rizushi, uma bolsinha de tofu fri­to (chamada sushiaguê) recheada com arroz de cogumelo shitake adocicado. Sai a R$ 21 a porção com cinco. O combinado com 15 sushis à escolha da cozinha fica por R$ 30. Os Uchimura também preparam guioza (R$ 10 unidades/R$ 30), sunomono (R$ 25) e os abrasileirados cariocas (R$ 20 unidades a R$ 40).

Mas se minha dica valer de algo, tente um dos pratos quentes. O lamen de porco é meu predileto e recebeu uma interferência incomum nesse tipo de preparo: a carne de porco é caramelizada, conferindo gosto adocicado ao caldo com macarrão e legumes.

A ideia foi de Marly, que pretendia pegar os ocidentais com um toque criativo. Custa R$ 30. Mais incomum ainda é o lamen de frutos do mar coberto com tempura de legumes e camarão (R$ 35).

Leia também
Veganismo é boa realidade no Quina do Futuro
Sushi pronto para viagem


Sob reserva, a casa também prepara udon, um caldo quente de shita­ke carregado no gengibre, macar­rão, tofu frito, tofu fresco, cenoura, vagem e cebolinho (R$ 25 a tige­la), sukiyaki para quatro pessoas (R$ 120) e kare raisu, um prato típico da cozinha doméstica do Japão, com carne e molho de curry.

SERVIÇO

Mercearia Oriental
No térreo do Studio Ibiza III (em frente ao Ponto do Açaí do Polo Pina - avenida Conselheiro Aguiar, 65, Pina). Informações: 3463.7099 e 98866.3875

Veja também

Banana é superalimento para a saúde do corpo
Saúde

Banana é superalimento para a saúde do corpo

Culturas orientais sugerem o equilíbrio do corpo através da alimentação consciente
Gastronomia

Culturas orientais sugerem o equilíbrio do corpo através da alimentação consciente