Pesquisa diz que comida virou religião

Consumidor é influenciado por modismos que comprometem o bom senso

A Europa é o continente mais resistente aos geneticamente modificadosA Europa é o continente mais resistente aos geneticamente modificados - Foto: Da editoria de Arte

BRUXELAS (FOLHAPRESS) - Segundo pesquisa realizada pela Bayer, em julho de 2017 com 10 mil pessoas em dez países, incluindo o Brasil, 46% entendem que pesticidas mantêm a saúde das plantas, mas 79% preferem orgânicos. Em relação aos transgênicos, 52% reconhecem seus benefícios ambientais, mas 72% evitam comprá-los.

Com 10 bilhões de pessoas no mundo em 2050 (hoje são 7,6 bilhões), será preciso produzir mais com menos recursos naturais e, por isso, diz Adrian Percy, chefe de pesquisa e desenvolvimento da divisão agrícola da empresa, "a tecnologia não é uma oportunidade, mas uma necessidade".

"É preciso ser transparente: mostrar aos consumidores as pesquisas e os resultados. Há um retrocesso da sociedade em muitos aspectos, como política e ciência, bem quando mais precisamos dessa revolução."

Para a professora Louise O. Fresco, presidente da Universidade e Centro de Pesquisa Wageningen (Holanda), a "comida virou uma religião". "Existe, por exemplo, uma escola de pensamento que diz que comer pão é ruim. Cientificamente, não faz sentido, mas as pessoas acreditam."

Outra questão é o glúten, cuja porcentagem de intolerantes se mantém na faixa de menos de 1% da população há décadas, segundo a pesquisadora. "Em alguns países, 20% da população sente que tem problema com glúten. Isso é religião."

Georgie Aley, presidente de um instituto de ciência de alimentos na Austrália, define o mercado de comida como o mercado da moda - o consumidor dita a tendência, do sem glúten ao orgânico, da quinoa ao abacate. "Num cenário de aumento da classe média e aquecimento global, temos que balancear as modas e expectativas para ter um sistema sustentável", diz.

Fresco afirma, porém, que é preciso ser tolerante com essas crenças e que deve haver variedade de escolhas, mas diz ser necessário combater a falta de informação. "Amamos a tecnologia, amamos nossos celulares, mas queremos que a comida seja tradicional", ironiza.

"O futuro não está em voltar ao manual, não dá para produzir dessa forma calorias necessárias para 10 bilhões de pessoas." A Europa é o continente mais restritivo em relação aos alimentos geneticamente modificados. Para Fresco, isso ocorre porque "algumas gerações depois da Segunda Guerra nunca experienciaram falta de comida".

Veja também

Dadinhos de polenta para petiscar em casa
Fubá

Dadinhos de polenta para petiscar em casa

Rótulos ficarão mais compreensíveis

Rótulos ficarão mais compreensíveis