A-A+

Pratos fartos e aconchego em Fernando de Noronha

Restaurante Varanda é uma das casas mais tradicionais da ilha

Revestimento de madeira confere clima de aconchego Revestimento de madeira confere clima de aconchego  - Foto: Wagner Ramos/Divulgação

FERNANDO DE NORONHA - Dos sócios Soraia Ulisses e Fernando Buarque, o Varanda é um ícone na ilha e na Associação da Boa Lembrança - é o estabelecimento que mais vende pratos da entidade no Brasil. A dupla de empresários também aposta em cronograma de eventos inéditos, com chefs renomados cozinhando junto a Jackie Dantas, chef-residente do restaurante, como foi o caso de Roberto Ravióli, há poucos meses.

Mas a casa não precisa de acontecimentos especiais para se destacar. O Varanda é um exemplo de solidez em Noronha, uma casa que sempre dá vontade de voltar quando se está na ilha. Vende Comida gostosa, sem frescura, em porções de bom tamanho e preço atrativo, considerando o custo-Noronha habitual. Sem esquecer da atmosfera rústica proporcionada pelo revestimento em madeira e pela varanda que fica nos fundos do casarão.

Aconselho dispensar um tempo para comer tranquilamente e desfrutar de caipiroscas em tamanho graúdo, que chegam em taças decoradas com bilhetinhos motivacionais. Rende muito aquela foto no Instagram. Para começar com o pé direito, vá de mix de frutos do mar, uma entrada generosa (serve três pessoas bem), com polvo, camarão, mexilhão e peixe salteados na manteiga de alho, mais lula empanada e farofinha. Custa R$ 95. Entre os petisquinhos, ainda, isca de peixe empanada, ceviche e casquinho de siri.

Há pratos para duas pessoas, aliás, são em maior quantidade do que os individuais, que começam em R$ 130 (cavala em crosta de farinha de castanha). A paella de frutos do mar também é boa pedida, a R$ 220, assim como a sinfonia marítima, que sai a R$ 185. Nessa categoria também tem bobó de camarão e de lagosta, moqueca, carne de sol e parmegiana com queijo de manteiga (!).

Leia também:
A Noronha dos Sabores
Noronha gastrô

Uma receita, entretanto, é caso de amor antigo, sempre que vou a Noronha, peço. O camarão com quiabo, mais arroz de coco e toque de cúrcuma. É leve e fresh, e nada óbvio. Custa R$ 195. Os pratos in­dividuais vão das criações com pescado e crustáceo a filé mignon. Tem comida para todos os gostos e a simpatia da equipe de atendentes. Brownie, cartola, torta de jaca, cocada cremosa e trio de brigadeiros lideram o time das so­bremesas que arrancam mais suspiros. Endereço: rua Major Cos­ta, 130, Vila do Trinta, Fernan­­do de Noronha. Funcionamento: diariamente das 12h às 23h. Informações: (81) 3619.1546.

Tradicional
O bar Duda Rei é um dos picos mais famosos de Fernando de Noronha - e um dos mais antigos. É qua­se inevitável não esbarrar nele, já que fica no ponto principal da Praia da Conceição. É dica para tomar cerveja gelada entre um mergu­lho e outro. Tem cardápio de petiscos. Ao cair da tarde, vá para a areia para assistir ao pôr do sol de tirar o fôlego. Endereço: Praia da Conceição. Funcionamento: diariamente das 10h às 22h.

*A jornalista viajou a Fernando de Noronha com apoio da Administração da ilha (www.noronha.pe.gov.br) e da Pousada Zé Maria

Veja também

No dia 16 de outubro, comemora-se o Dia Mundial do Pão; saiba mais sobre o alimento
Pães

No dia 16 de outubro, comemora-se o Dia Mundial do Pão; saiba mais sobre o alimento

Países que reabriram fronteira para brasileiros possuem grandes atrativos culinários
Gastronomia

Países que reabriram fronteira para brasileiros possuem grandes atrativos culinários