Gastronomia

Quarta onda do café sinaliza um mercado de consumidores experientes

Quarta onda do café anuncia mercado estruturado e consumidores mais experientes nas cafeterias

Café especial ganha espaço no mercadoCafé especial ganha espaço no mercado - Foto: Paullo Almeida/Folha de Pernambuco

Se é uma marolinha ou não, a quarta onda do café já dá seus primeiros movimentos em torno da bebida mais consumida no Brasil. Ainda em fase de consolidação, o termo se destina ao processo evolutivo, que vai da colheita do grão ao consumidor final, anunciando que, sim, “estamos cada vez mais práticos, exigentes e atentos à cadeia produtiva”, segundo os profissionais da área consultados pela reportagem.  
 



Mas não adianta falar de uma quarta onda, sem mencionar o que persiste do movimento anterior, que ganhou espaço nos anos 2000, abrindo caminhos para a cena atual. “Na terceira, tivemos a disseminação de vários métodos de preparo. Os baristas ganharam força e as pessoas começaram a ir para as cafeterias apreciar, de fato, o café”, pontua o barista Alan Cavalcanti, que aproveitou a tendência da época, através do seu Malakoff Café, com sete métodos no balcão, a ponto de ser considerado um dos primeiros endereços do Recife a oferecer informação agregada ao consumo.

Alan viu o #coffeelover se espalhar por aí na mesma velocidade em que o mercado incorporou de vez o termo “produto especial”. A bebida deixa de ser um me­ro acompanhamento das rodas de conversa para se tornar o item mais importante da mesa. Cor, textura e aroma começam a ser discutidos, tal como um vinho precioso na taça. Açúcar na xícara, nem pensar!  

Processo evolutivo 

Passado o período de isolamento rígido da pandemia, cá estamos com o público nas ruas. Ele, e muito menos o profissional da área, não é mais o mesmo. Os últimos meses aceleraram as tendências do setor para uma aproximação maior das pessoas com os produtores, aumentando a noção de baristas e clientes em relação à cadeia produtiva e, finalmente, o sabor do café. 

“Passamos pela fase de volume no consumo e agora estamos na fase de formação da cultura de consumo, que se relaciona com o nível de entendimento sobre a qualidade da bebida. A relevância agora é para o sensorial e a experiência, independente das espécies do café”, adianta a barista e professora na área, Lidiane Santos. Ela, que através do Kaffe - Torrefação e Treinamento, vivencia as novidades de mercado, também percebe  que as cafeterias passaram a enxugar a quantidade de métodos. “É como se isso não fosse mais tão importante para a experiência na xícara. O que o cliente quer hoje é um café recém-torrado, moído na hora, com um sensorial em evidência”, completa.

Com ou sem açúcar? 

Uma das características mais marcantes da terceira onda é, sem dúvida, a questão do açúcar. Segundo os profissionais, o ingrediente é capaz de mascarar tudo o que se quer  identificar em termos de notas sensoriais. “Adicioná-lo ao café especial é pegar uma matéria-prima, que passou por diversas etapas para ter uma qualidade altíssima, e estragar todo o processo, já que falamos de um fruto que tem seu próprio açúcar.
 

Em contrapartida, utilizá-lo pode enaltecer o dulçor. Mas puxo agora também outra questão: colocar o leite, que vai desestruturar o sabor do café, também não é mascarar sabor?”, reflete Gustavo Rocha, consultor da rede Greenmix e barista do Versado Cafeteria. Para ele, a conclusão para os dias atuais é: “o profissional dará um norte, mas a escolha é individual”.  

Tudo se resume ao sabor 

O novo momento também permite algumas valorizações e posicionamentos, na opinião de George Gepp, à frente da cafeteria SO LO Brewing. Até a terceira onda, o barista era uma pessoa contratada ou capacitada para operar o equipamento e falar de café dentro de algumas limitações. Mas, agora, ele de fato encara o consumidor mais experiente, a ponto de ter que entender melhor o processo que já começa no campo. 

“A quarta onda é mais voltada para o consumo do que para a cafeteria. E se ela não acompanhar o consumidor, tende a ter um fracas­so em curto e médio prazo. É impos­sível não lidar com um cliente em que ele não se sinta confortável ou viável. Hoje em dia, com a evolu­ção da agricultura e dos processa­mentos, o consumidor consegue falar em sabor de café de maneira ca­da vez mais específica”, completa.

Serviços:

SO LO
Endereço: Rua dos Arcos, 60, loja 4, Poço da Panela
Instagram

Kaffe - Torrefação e Treinamento

Endereço: av. Conselheiro Aguiar, 2178, loja 01, Boa Viagem
Instagram

Versado Café

EndereçoRua do Cupim 259, Graças
Instagram

Veja também

Dicas para consumo de alimentação na praiaVerão

Dicas para consumo de alimentação na praia

Em tempos de gripe, conheça os alimentos que fortalecem a imunidade Saúde

Em tempos de gripe, conheça os alimentos que fortalecem a imunidade