A-A+

Tio Zé é bar que conta história de família

Restaurante no shopping Patteo Olinda resgata típicas receitas nordestinas

Baião de dois cremoso sai em porção generosaBaião de dois cremoso sai em porção generosa - Foto: Talher Fotografia/Divulgação

Todo nordestino que se preze tem uma memória afetiva ligada à gastronomia. Não seria diferente em um restaurante inspirado na vida boêmia de José Soares Bezerra, ou apenas Tio Zé, da cidade de Salgueiro, no Sertão pernambucano. Apreciador de cerveja e das comidas de boteco, esse é o nome que estampa o novo restaurante do shopping Patteo Olinda, onde a intenção dos sócios - netos do tio Zé - é trazer histórias de família através da comida.

No último andar do centro de compras, com direito a um terraço abrindo vista para o mar, não pense que encontrará elementos regionais típicos do interior. Cores sóbrias e arquitetura moderna recebem o visitante de maneira despretensiosa. O primeiro acerto está no tablet acoplado em todas as mesas, onde é exibido o cardápio e pelo qual se manda o pedido para a cozinha. Se pintar uma dúvida, há garçom para ajudar.

O menu é assinado pelo chef Rapha Vasconcelos, que inseriu beliscos para acompanhar os chopes da Ekäut, além de pratos substanciosos para matar a fome na hora do almoço e jantar. Na lista, o munguzá salgado, de Luciene Be­zerra, filha de tio Zé, chama a­tenção. Ele sai nos fins de semana com milho, linguiça, paio, feijão mulatinho e toucinho, por R$ 25 a versão individual e R$ 45 pa­ra compartilhar. Toda concepção do prato lembra uma dobradinha. “É tradicional do interior e da nossa família, tanto que minha mãe veio repassar as técnicas da receita para os funcionários”, lembra Paula Cavalcanti, sócia no projeto ao lado dos irmãos Bárbara e Diego.

Leia também:
Novo restaurante da ZS aposta na comida regional
Pão de mel banca viagem do Oiapoque ao Chuí

As produções sertanejas continuam no tradicional baião de dois cremoso gratinado que, embora não saia acompanhado por carne desfiada, leva queijo suficiente pa­ra se bastar junto ao arroz e feijão, servido em panelinha. Sai por R$ 19,90 e tem potencial para servir duas pessoas. O valor, inclusive, é o mesmo para moela de gali­nha, ragu de chambaril e escondi­dinho de carne de sol. Já para as entradas e sobremesas, petiscos tradicionais de boteco como caldi­nho de feijoada ou camarão (R$ 9), empada de camarão ou queijo do reino (R$ 11,90), pastéis de queijo do reino, carne, costela no mo­lho barbecue e camarão (R$ 15,90) e casquinho de caranguejo (R$ 9). Outra opção é o menu executivo pa­ra o almoço, de segunda a sexta, com proteína mais três acompanhamentos, sendo carne de sol na nata, frango grelhado, filé à parmegiana e peixe em crosta de castanha.

Happy hour
Para fazer jus à inspiração nos botecos do interior, a happy hour de segunda à sexta-feira, das 17h às 20h, inclui bebidas e petiscos com preços acessíveis. Para se ter uma ideia, o chope de 340ml vendido a R$ 8 cai para R$ 5, enquanto gin tônica com Tanqueray circula a R$ 16,90 nesses horários.

Serviço:
Endereço: Shopping Patteo Olinda, piso L3
Instagram: @tiozeboteco

Veja também

Carne de porco pode ser alternativa acessível e nutritiva à mesa
Gastronomia

Carne de porco pode ser alternativa acessível e nutritiva à mesa

Restaurante nordestino aposta na fartura dos pratos com ingredientes regionais
Regional

Restaurante nordestino aposta na fartura dos pratos com ingredientes regionais