Vinho é astro na nova Bottega Bastardi

Casa de Manoel Fernandes e Thiago Vita tem conceito entre vinheria e restaurante

Atum selado ganha reforço com shimeji trufado e farofa de castanha de cajuAtum selado ganha reforço com shimeji trufado e farofa de castanha de caju - Foto: Ed Machado

A Bottega Bastardi fica entre uma vinheira e um restaurante. O novo projeto dos sócios Manoel Fernandes e chef Thiago Vita, inaugurado há um mês no ponto do extinto Nakumbuka Boa Viagem, em frente ao Kojima, é um sopro novidadeiro pelas bandas da Zona Sul, meio parada em termos de entretenimento.

A casa recebeu reforma elegante, mas longe de ser ostensiva, das arquitetas Milena Sotero e Fernanda Antunes, que tem como ponto alto o balcão com parede recoberta por garrafas de vinho e a cozinha aberta.

Vinho, precisa-se esclarecer, que é o astro absoluto das taças, contabilizado em quase 200 rótulos de vários países fornecidos pela Mistral. Ponto para a casa que disponibiliza variedade da bebida em opções de taça e meia garrafa. Não fica atrás, porém, a preocupação com a coquetelaria - uma tendência crescente no Recife. Uma boa seleção de drinques assinados pelo experiente Luciano Melo completa a carta etílica, que puxa o consumo da ótima gastronomia da casa - pensada para ser compartilhada.

É aí onde brilha Thiago Vita, sócio também da Toscana Trattoria, e titular do La Pecora Nera. Ao contrário do que se possa esperar, o cardápio da Bottega não traz repertório italiano purista. A Itália das suas raízes aparece, sim, aqui e acolá, sobretudo nas pitadas trufadas que ele dá em vários preparos, mas não chega a ser um menu italiano.

Ele arrisca vários ingredientes incomuns em seu trabalho, valendo começar pelo atum selado aromatizado com trufa, mais farofa de castanha de caju, molho à base de balsâmico, sumo de cítricos, shoyu e finalização com teriyaki de mel de engenho (R$ 45). O peixe nobre também surge em versão de tartare com raspas de siciliano, emulsão de óleo de gergelim e de abacate (R$ 35).

Uma referência direta ao petisco mais famoso do restaurante paulistano A Casa do Porco, nacos de barriga de porco preparados em baixa temperatura ganha cobertura de goiabada cremosa. Sai a R$ 33. Também chama a atenção o porcotone, que são almôndegas feitas com pernil de porco, mais molho de tomate artesanal e creme de burrata de búfala (R$ 38).

Saindo da categoria de entradas, o cardápio segue com pratos individuais robustos, como o stracotto d´agnello (R$ 45). Consiste numa paleta de cordeiro em baixa temperatura, guarnecida com musseline de mandioquinha, couve crespo e farofa de castanha.

Ou ainda o tagliata di vitellone, que traz o bombom de alcatra angus prime na brasa, mais batata rústica, rúcula e lasca de grana padano (R$ 49). Polvo, peixe, filé mignon e camarão também surgem. Não deixe escapar detalhe instigante: os pães são produzidos na própria cozinha. Em tempo. O serviço de salão contou com a consultoria do maître sommelier Otoniel Abílio, ex-Wiella, conhecido pela tarimba no métier.

Veja também

Bob's realiza Festival de Verão com milk-shakes e sorvetes especiaisGeladíssimo

Bob's realiza Festival de Verão com milk-shakes e sorvetes especiais

Uísque especial 'La Casa de Papel' chega ao Brasil às vésperas da estreia da última temporadaEspecial

Uísque especial 'La Casa de Papel' chega ao Brasil às vésperas da estreia da última temporada