Empréstimo

Cresce a procura por empréstimos para condomínios

Síndicos começam a buscar crédito para realizar obras emergenciais, pagar funcionários em dia e implantar novas tecnologias, como energia solar

Foto: Pexels

Com a chegada do ano novo, muitas incertezas cercam os brasileiros: se há dinheiro para pagar as contas, se os planos vão dar certo, como será o próximo ano. Para os síndicos, essas incertezas são ainda piores, devido a responsabilidade acerca dos pagamentos de funcionários, serviços gerais, manutenções, reformas, e por estarem à frente das vontades dos condôminos. Com o crescimento de 50% da procura por crédito condominial no segundo semestre de 2022, fintechs e outras instituições financeiras começaram a disponibilizar empréstimos para moradias verticais. 


Com o crédito disponibilizado pelas instituições para os síndicos dos condomínios, é possível fazer reformas de fachada; reformas elétricas, hidráulicas ou civis; modernizar elevadores; implantar energia solar/ portaria remota; entregar a rescisão dos funcionários; fazer as adequações para AVCB (bombeiros); fazer obras emergenciais; adequar fluxo de caixa/inadimplência, entre outros projetos.

“Muitas vezes, os projetos financiados, valorizam os imóveis e geram uma economia mensal ao condomínio, de forma que o empréstimo se paga com a economia gerada. Além da análise de crédito feita para entender sobre a saúde financeira do condomínio, é importante haver um planejamento dos gestores sobre como utilizar o dinheiro, procurando adaptar o valor das parcelas ao fluxo de caixa do condomínio!”, orienta o consultor de finanças, Edoardo Costa.


A Finacon, empresa voltada para empréstimo condominial, é uma das fintechs referência no estado de Pernambuco, que trabalha com crédito descomplicado, antecipação de recebíveis, com parcelas fixas (sem reajuste) e taxa de juros mais baixa que o mercado. Para a empresa, por exemplo, a maior procura segue sendo para financiamento de painéis solares/energia solar.

Esse foi o caso de Romero Conolly Filho, síndico profissional que precisou utilizar o crédito para seu condomínio. “Utilizamos para a implantação de energia solar. Executamos o serviço de forma rápida. Atualmente, com a entrada no mercado das Fintechs, este processo tornou-se ágil e viável ,pois os condomínios não eram atendidos pelo setor bancário tradicional para financiamentos”, diz.


Porém, é preciso atentar-se a alguns pontos: alguns bancos, por exemplo, pedem como garantia a unidade do síndico, grande burocracia, juros altos e até mesmo solicitam que os síndicos e conselheiros sejam avalistas (responsáveis pela dívida) da transação. É preciso procurar instituições que realmente sejam parceiras do condomínio, que estabeleçam juros baixos e não solicitem bens.


Antes de pedir o financiamento, também é necessário a aprovação unânime em assembleia, já que a dívida é conjunta e o síndico, na verdade, é somente o mediador da situação, e não irá bancar sozinho com os custos gerados. 

Veja também

Mega-Sena 2.748: prêmio acumula pela terceira vez e chega a R$ 21 milhões
loteria

Mega-Sena 2.748: prêmio acumula pela terceira vez e chega a R$ 21 milhões

Lei que padroniza índices de correção e juros ainda gera dúvidas a especialistas
padrão

Lei que padroniza índices de correção e juros ainda gera dúvidas a especialistas

Newsletter