Guerra

Biden acelera entrega de armas dos EUA à Ucrânia

O presidente utilizou como base uma medida criada durante a Segunda Guerra Mundial para ajudar países aliados

O presidente Joe Biden, acelerou nesta segunda-feira (9) o envio de armamento à UcrâniaO presidente Joe Biden, acelerou nesta segunda-feira (9) o envio de armamento à Ucrânia - Foto: DREW ANGERER / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / GETTY IMAGES VIA AFP

O presidente americano, Joe Biden, acelerou nesta segunda-feira (9) o envio de armamento à Ucrânia com base em uma medida criada durante a Segunda Guerra Mundial para ajudar aliados dos Estados Unidos a derrotar a Alemanha nazista.

Biden assinou a ordem na Casa Branca e informou que seu país apoia os ucranianos "na defesa de seu território e sua democracia perante a guerra brutal de Putin".

Também disse estar pronto para fazer uma concessão política no Congresso para obter a aprovação rápida de 33 bilhões de dólares adicionais para apoiar a Ucrânia.

"Não podemos nos permitir um atraso neste esforço vital da guerra", disse em um comunicado, instando o Congresso a colocar "de imediato sobre minha escrivaninha" o projeto de lei de financiamento da Ucrânia.

Admitindo os bilhões de dólares gastos pelos Estados Unidos, Biden disse que "ceder à agressão é ainda mais caro".

A norma assinada por Biden, que facilita o fluxo de equipamento militar, "está baseada em um programa da Segunda Guerra Mundial para ajudar a Europa a resistir a Hitler", disse a Casa Branca.

A medida adotada pelo presidente Biden ocorre no dia em que se celebra a vitória aliada na Europa em 1945, que marcou a derrota da Alemanha de Hitler. 

Biden também destacou que esta segunda marca o aniversário do Dia da Europa, que comemora o início da União Europeia em 1950 e a criação de uma "potência econômica" e uma "força global de paz". 

A atualização do empréstimo ocorre horas depois de o presidente russo, Vladimir Putin, supervisar um desfile militar na Praça Vermelha, em Moscou, também comemorativo pela vitória soviética contra a Alemanha nazista. 

Mais cedo, o porta-voz do Departamento de Estado americano, Ned Price, criticou o presidente russo, Vladimir Putin, por ter, segundo ele, dito algo "absurdo" e insultar a história ao apresentar a invasão russa da Ucrânia como uma operação defensiva.

"Chamar isto de uma ação defensiva é patentemente absurdo", disse Price a jornalistas.

"É um insulto aos que perderam a vida e aos que foram vítimas desta opressão sem sentido".

"Passo histórico"
Em um tuíte, o presidente ucraniano, Volodomir Zelensky, comemorou a medida e também relembrou a guerra contra a Alemanha.

"É um passo histórico. Estou convencido de que venceremos juntos outra vez. E que defenderemos a democracia na Ucrânia. E na Europa, como há 77 anos", escreveu.

Na década de 1940, os Estados Unidos e a União Soviética foram aliados por um curto período de tempo contra a Alemanha, seu inimigo comum.

Naquela época, o então presidente americano, Franklin Roosevelt, usou pela primeira vez a medida de empréstimo e arrendamento, que eliminou obstáculos burocráticos para canalizar bilhões de dólares em equipamentos a aliados europeus, inclusive os soviéticos.

 

Veja também

Trump diz: 'fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita'
ATENTADO

Trump diz: 'fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita'

Biden diz que 'não há lugar para esse tipo de violência' após tiroteio em comício de Trump
SOLIDARIEDADE

Biden diz que 'não há lugar para esse tipo de violência' após tiroteio em comício de Trump

Newsletter