A assustadora fragilidade de Náutico e Santa

Na segunda rodada do Estadual, tricolores e alvirrubros demonstraram um futebol bem aquém da tradição de suas camisas e acabaram sendo derrotados por América e Central, respectivamente

Imagens de América x Santa Cruz pelo Estadual 2018Imagens de América x Santa Cruz pelo Estadual 2018 - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco


O Campeonato Pernambucano começou surpreendente. Náutico e Santa Cruz levaram duas pancadas na segunda rodada. Claro que a fragilidade de alvirrubros e tricolores é e era notória. Mas não se esperava tanto, até porque o Central, algoz do Timbu (3x0), e o América, carrasco tricolor (2x0) também não podiam cantar de galo.

São clubes que vivem de orçamento apertado, em constante dificuldade, muito mais do que seus rivais da Capital. Esperava-se, então, que o timbuzinho e a cobrinha fizessem, ao menos, jus à tradição que suas camisas carregam.

Que nada.

Ambos viram estrelas no Ademir Cunha e no Lacerdão, respectivamente, nesse fim de semana. Já o Sport também sofreu, mas conseguiu vencer, na Ilha, o fraco Afogados da Ingazeira. Com mais dinheiro em caixa, o Leão está um degrau a mais que seus rivais e ainda conta com um treinador experiente, Nelsinho Baptista.

O Pernambucano é um campeonato de tiro curto, cada vez mais espremido entre as datas do Nordestão, e do início da Copa do Brasil. Pelos jogos que vi, de tricolores e alvirrubros, não consigo vislumbrar o horizonte com otimismo. Louvo aqui, apenas, o esforço do técnico Roberto Fernandes para transformar o Náutico em um time. Acho que vai demorar e por isso mesmo apelo para a paciência da torcida e da diretoria.

Fernandes não faz milagre. Tem um grupo bruto em mãos. E vai precisar trabalhar muito. Talvez os resultados nem apareçam nesta temporada. Mas confio neste projeto do Náutico. Ir armando o time enquanto executa a reforma dos Aflitos para voltar a jogar lá. Sou dos que acreditam que o soerguimento alvirrubro passa pelo sagrado gramado da Avenida Rosa e Silva.

Já o Santa Cruz amarga uma fase daquelas. Tininho, seu novo presidente, já experimentou vitórias memoráveis como vice-presidente de futebol. Mas o destino reservou a ele o maior desafio de sua vida como presidente. Ele assumiu um clube quebrado e, politicamente, dividido. Terá de usar toda a habilidade para reagrupar os tricolores mais abastados que sempre ajudaram a direção.

E, obrigatoriamente, não pode se isolar no comando. É preciso descentralizar as decisões, distribuir tarefas. Se tentar resolver tudo sozinho, isolando-se nas tomadas de decisões poderá afundar ainda mais a centenária agremiação tricolor.

Veja também

Justiça mantém suspensão de aulas presenciais na rede privada do DF
distrito federal

Justiça mantém suspensão de aulas presenciais na rede privada do DF

Novos leitos para tratamento da covid-19 são inaugurados em Serra Talhada, no Sertão pernambucano
Sertão

Novos leitos para tratamento da covid-19 são inaugurados em Serra Talhada, no Sertão pernambucano