Notícias

OMS recomenda menos medicação durante o parto

Embora a taxa de cesariana varie de acordo com a região do mundo, a OMS vê um aumento geral nesta prática, o que considera perturbador

GrávidaGrávida - Foto: Pixabay

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou nesta quinta-feira (15) que menos medicação seja administrada durante o processo de parto, alegando que é muito elevada em função de um nível de referência inadequado por conta do ritmo de trabalho das mulheres durante o parto.

Desde a década de 1950, uma mulher cujo ritmo de dilatação do colo do útero é mais lento do que um centímetro por hora é considerado "anormal", indicou o médico Olufemi Oladapo, do Departamento de Saúde Reprodutiva da OMS, em entrevista coletiva nesta quinta-feira em Genebra.

Leia também:
Parto normal X parto cesárea, por Isabela Coutinho Neiva
Ministério lança estímulo a parto humanizado e amplia acesso ao DIU


Quando os médicos e a equipe enfrentam um trabalho mais lento do que essa referência, "a tendência é agir", seja com uma cesariana, ou usando medicamentos como a oxitocina, que acelera o trabalho, explicou.

Na nova orientação, a OMS pede a eliminação da referência de um centímetro por hora. "Pesquisas recentes mostraram que esta linha não se aplica a todas as mulheres e que cada nascimento é único", disse Oladapo, acrescentando que "a recomendação que fazemos agora é que essa referência não deve ser usada para identificar mulheres em risco".

Embora a taxa de cesariana varie de acordo com a região do mundo, a OMS vê um aumento geral nesta prática, o que considera perturbador.

A OMS também está preocupada com o fato de as intervenções usadas anteriormente para evitar partos complicados terem-se tornado práticas comuns. "A gravidez não é uma doença, e o nascimento é um fenômeno normal que você pode esperar que a mulher complete sem intervenção", defendeu Oladapo. "Mas o que temos visto nas últimas duas décadas são mais e mais intervenções médicas feitas em vão", acrescentou.

A nova diretriz da OMS estipula que, para uma mulher que vai dar à luz pela primeira vez, todo trabalho de parto que não durar mais de 12 horas deve ser considerado normal. Para as seguintes gravidezes, o número cai para menos de 10 horas.

Veja também

Trump diz: 'fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita'
ATENTADO

Trump diz: 'fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita'

Biden diz que 'não há lugar para esse tipo de violência' após tiroteio em comício de Trump
SOLIDARIEDADE

Biden diz que 'não há lugar para esse tipo de violência' após tiroteio em comício de Trump

Newsletter