justiça

Moraes brinca após "momento socialista" no STF: "Me sinto reconfortado"

Em julgamento sobre FGTS, ministro fez referência ao fato de ser chamado de "comunista" pelos críticos

Alexandre de Moraes, ministro do STFAlexandre de Moraes, ministro do STF - Foto: Gustavo Moreno/SCO/STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal ( STF), ironizou o momento apontado como "socialista" da Corte durante o julgamento que discute uma possível mudança na remuneração do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), e disse estar "reconfortado", brincando com o fato de frequentemente ser chamado de "comunista" por seus críticos.

A declaração ocorreu após o ministro Flávio Dino dizer, em tom de brincadeira, que uma proposta do presidente do STF, Luís Roberto Barroso, para o caso era "bem socialista". Os ministros estão analisando se devem aumentar a correção do FGTS. Barroso, que é o relator, propôs que o ganho precisa ser no mínimo igual ao da poupança.

Em seu voto, Dino apontou que uma eventual mudança no financiamento do fundo poderia afetar o crédito imobiliário. Barroso questionou, então, se "não faria mais sentido tirar do multimercado ou do CDB do que tirar da poupança do trabalhador", e Dino respondeu:

— O problema, ministro Barroso, é que nós temos um fundo público, com regras de captação, remuneração, despesa e reposição. Temo que Vossa Excelência esteja propugnando algo bem socialista, com o qual eu não tenho nenhuma oposição, mas o fato é que temos uma Constituição.

Pouco depois, Moraes também brincou com a situação:

— Aproveitando esse momento socialista do plenário. Eu, depois de muito tempo, sendo chamado como único comunista dessa Suprema Corte, hoje me sinto reconfortado com o momento socialista da Suprema Corte.

Veja também

Lula foi monitorado pelo governo dos Estados Unidos, diz jornal
investigação

Lula foi monitorado pelo governo dos Estados Unidos, diz jornal

Múcio se mobiliza em busca de recursos para Forças Armadas; governo discute bloqueio de gastos
Brasil

Múcio se mobiliza em busca de recursos para Forças Armadas; governo discute bloqueio de gastos

Newsletter