Cabo recua e vai devolver contribuição

Erro de cálculo foi reconhecido pela administração municipal

Prefeitura do Cabo de Santo AgostinhoPrefeitura do Cabo de Santo Agostinho - Foto: Divulgação

No dia em que a bancada de oposição ingressou com uma ação contra a Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho no Ministério Público de Pernambuco, a administração municipal reconheceu que errou os cálculos da alíquota previdenciária em janeiro. A prefeitura admitiu que só deveria recolher 11% dos salários dos servidores e não os 14% que foram cobrados. Por isso, prometeu devolver o valor cobrado indevidamente na folha de pagamento de fevereiro.

Como foi denunciado pelo vereador Ricardinho (Solidariedade), a alíquota de 14%, que foi sancionada pelo prefeito Lula Cabral nos últimos dias de 2017, só pode ser cobrada a partir de março. Afinal, de acordo com a Constituição do Brasil, mudanças nas contribuições sociais só podem ser praticadas depois de decorridos 90 dias da publicação da lei que define os novos valores de arrecadação.

Leia também:
Meirelles reitera confiança na aprovação da reforma da Previdência

“A Secretaria de Administração foi induzida ao erro porque o CaboPrev é uma autarquia e sua presidente Célia Verônica Emídio enviou, equivocadamente, um ofício para a Secretaria de Administração proceder os descontos”, alegou o secretário de Governo do Cabo, Paulo Farias, que, antes disso, havia dito que a cobrança era legal e atendia o princípio da anterioridade. “Ou seja, podemos aprovar a mudança em um ano para cobrá-la no exercício seguinte”, declarou ele, na segunda-feira, para a Folha de Pernambuco.

Nessa terça (30), no entanto, Farias voltou atrás e garantiu que só vai efetuar a cobrança em março. “A prefeitura reconhece o erro e vai ressarcir os servidores. Mas, após a noventena, faremos os descontos”, disse o secretário de Governo, frisando, por sua vez, que a cobrança indevida não chega aos R$ 500 milhões calculados por Ricardinho. “Temos seis mil servidores e uma folha de pagamento de R$ 20 milhões. Então, esses 3% devem dar algo em torno de R$ 60 mil. Individualmente, é um valor insignificante. Mesmo assim, vamos ressarcir os servidores”, afirmou, lembrando que o reajuste da alíquota tenta amenizar o déficit do sistema previdenciário do Cabo.

Veja também

Senado aprova indenização de R$ 50 mil a profissionais incapacitados pela Covid-19
Coronavírus

Senado aprova indenização de R$ 50 mil a profissionais incapacitados pela Covid-19

Maia diz que cheque especial é extorsão ao cidadão e que é preciso buscar novo formato
economia

Maia diz que cheque especial é extorsão ao cidadão e que é preciso buscar novo formato