Brasil

Entidades empresariais criticam decisão do BC de manter juros em 10,5% ao ano

Para elas, a decisão vai impor restrições adicionais à atividade econômica

Banco Central do BrasilBanco Central do Brasil - Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Após a decisão do Banco Central de manter inalterada a taxa básica de juros, nesta quarta-feira, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou um comunicado em que considera "inadequada e excessivamente conservadora" a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central.

A Selic foi mantida em 10,5% ao ano, interrompendo o ciclo de cortes iniciado na reunião de 3 de agosto de 2023.

Segundo a entidade, a manutenção dos juros, neste momento, vai impor restrições adicionais à atividade econômica, com reflexos negativos sobre o emprego e a renda, sem que o "quadro inflacionário exija tamanho sacrifício".

 

“A manutenção do ritmo de corte na Selic seria o correto, pois contribuiria para mitigar o custo financeiro suportado pelas empresas e pelos consumidores, sem prejudicar o controle da inflação”, defende o presidente da CNI, Ricardo Alban.

Para a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), ainda que esperada, a decisão de manter a Selic prejudica a recuperação de importantes setores econômicos do país. "Esse patamar elevado continua a limitar a expansão dos investimentos. Ademais, a indústria, entre os três principais setores que compõem o PIB, foi a única a apresentar desempenho negativo no último trimestre", disse a entidade em nota.

Em outro comunicado, a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) diz que a manutenção da Selic em patamares elevados reflete uma postura cautelosa diante da inflação, que está em patamar baixo para o padrão brasileiro.

Segundo a Abimaq, o atual nível de juros gera preocupações significativas sobre os efeitos adversos no crescimento econômico.

A decisão do Copom também preocupa a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Assim como os demais setores produtivos do país, a instituição diz que que “este é um movimento equivocado, já que ainda haveria espaço para uma redução de 0,25 ponto nesta reunião”.

A CNC avalia que a estabilização da Selic gera um cenário de menor atratividade para o crédito e, consequentemente, para o setor de comércio e serviços, pois a tendência é que as famílias diminuam seu ritmo de consumo.

Já a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul afirma que o melhor cenário seria a continuidade do ciclo de redução dos juros, principalmente devido às condições difíceis que as empresas do Rio Grande do Sul estão enfrentando. Mas, diante do "desajuste econômico das últimas semanas, pode ser prejudicial à indústria".

Isso se deve, segundo a Federação, "à deterioração das expectativas de inflação nos últimos 45 dias, em virtude de uma política fiscal menos austera, e à incerteza quanto à condução da política monetária no próximo ano".

Veja também

Plano Safra: Banco do Brasil apresenta investimento de R$ 260 bilhões para 2024/2025
Plano Safra

Plano Safra: Banco do Brasil apresenta investimento de R$ 260 bilhões para 2024/2025

Ministério da Fazenda reage à onda de memes com Haddad
Fazenda Nacional

Ministério da Fazenda reage à onda de memes com Haddad

Newsletter