Coluna Movimento Econômico

FNE pode ajudar na retomada dos centros urbanos

O Condel também deve analisar uma demanda dos governadores para uso do FNE em obras de infraestrutura

Centro de cidades como o do Recife, com prédios ociosos, poderão contar com o FNE para retrofitCentro de cidades como o do Recife, com prédios ociosos, poderão contar com o FNE para retrofit - Foto: Edson Holanda/PCR

 A reunião de hoje do Conselho Deliberativo da Sudene (Condel) pode dar um passo muito importante para ajudar a tirar da decadência os centros urbanos das capitais do Nordeste. Está em jogo o financiamento para obras de retrofit e construção de novas moradias com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE). O retrofit é um processo que tem por objetivo restaurar prédios antigos, preservando a arquitetura original.

O Recife traduz o quadro que se repete em várias capitais da região. No centro da cidade, 31% dos imóveis estão desocupados. Embora pesquisas indiquem que povoar o centro é o caminho para sua regeneração e que há interesse por parte da população em morar nestas áreas, entidades como Sinduscom e CREA alegam que são necessárias obras de retrofit e estas exigem investimentos maiores do que os financiamentos ofertados para habitações no padrão Minha Casa, Minha Vida, o que tem dificultado iniciativas por parte de construtoras.

Atenta ao problema, a Sudene fez escutas junto a diversos setores e encaminhou ao seu Comitê Técnico proposta para disponibilizar parte das verbas do FNE direcionadas à infraestrutura para financiamentos de novas moradias e retrofit. Danilo Cabral, superintendente da autarquia, disse que isso atende demanda de várias cidades da região.

Orçamento do FNE

Administrado pelo Banco do Nordeste (BNB), o FNE dispõe de R$ 38 bilhões em seu orçamento para 2024 e 30% desse valor é direcionado à infraestrutura. Segundo Cabral, esses recursos não eram acessíveis à moradia, mas agora abre-se espaço para isso, beneficiando exclusivamente essas áreas, que já contam com a vantagem de serem dotadas de água, energia, esgoto e acesso viário.

Demanda dos governadores

O Condel também deve analisar uma demanda dos governadores. Constitucionalmente, os estados são proibidos de tomar financiamento pelo FNE, cujos recursos são destinados ao setor produtivo. O que os governadores desejam é que o FNE financie as obras que são executadas pelos estados como contrapartida para atração de investimentos, como estradas, saneamento, etc. Desta forma, os recursos continuam sendo direcionados à iniciativa privada, mas de forma indireta, já que seriam executados pelos estados.

Pacto

Essa abertura no FNE foi pactuada entre Sudene, Consórcio Nordeste – que reúne os governadores da região - Ministério da Integração Regional e BNB. Danilo Cabral explica que a Sudene está propondo que 30% dos 30% destinados à infraestrutura no FNE sejam direcionados a este fim, algo em torno de R$ 5 bilhões. Mas a verba contemplaria apenas Parcerias Público Privadas (PPPs) e concessões.

Escola para corretores

Pernambuco recebe uma escola para corretores do Instituto Brasileiro de Educação Profissional (IBREP). A abertura do novo negócio ocorre em um momento de valorização do mercado de imóveis local. A valorização passou dos 10%, com o metro quadrado alcançando R$ 9,6 mil.

Oportunidade com tilápia

Usando a tilápia, pesquisadores da Embrapa Agroindústria de Alimentos desenvolveram produtos como, salsicha e patê com fibra de abacaxi e embutido de carne tipo apresuntado. A Embrapa procura parceiros privados para levar os produtos ao mercado consumidor.
 

Leia mais no Movimento Econômico:

Tilápia em forma de salsicha, patê e “apresuntado”? A Embrapa tem

Usina flex de AL conclui 1ª moagem de etanol de cereais e supera previsão

IBREP abre unidade no Recife para capacitar corretores de imóveis

Fortaleza recebe 6ª edição da feira Expoconstruir Nordeste

Veja também

Reforma tributária impõe fim de créditos tributários às pequenas empresas 
Coluna Movimento Econômico

Reforma impõe fim de créditos tributários às pequenas empresas; entenda

Vício em jogos online gera impacto nas empresas
Coluna Movimento Econômico

Vício em jogos online gera impacto nas empresas

Newsletter