VW lança Virtus para crescer no Brasil

Com o modelo, a montadora alemã quer repetir o sucesso do Novo Polo

VirtusVirtus - Foto: Divulgação

A Volkswagen quer mesmo crescer no mercado automotivo nacional. Por isso, nem esperou o sucesso do Novo Polo passar e já lançou mais um veículo no País. É o VW Virtus, sedã que foi construído em cima da mesma plataforma modular do hacth que já é um dos carros mais vendidos do Brasil, mas promete ser mais do que simplesmente um Polo mais espaçoso. É que o Virtus alia o típico design alemão a conforto, potência e, sobretudo, tecnologia. Este promete ser, por sinal, o primeiro carro brasileiro a usar a inteligência artificial para auxiliar o motorista.

Leia também:
[Vídeo] Entenda o que faz um SUV de verdade


Produzido em São Bernardo do Campo, o Virtus deve ocupar a lacuna que havia entre o Voyage e o Jetta no portfólio de sedãs da Volkswagen. Mas, apesar de ser um sedã compacto, não deixa a desejar em termos de espaço com os seus 4,48 metros. É que o modelo tem a mesma dianteira espaçosa do Novo Polo, mas aposta em um design mais alongado na traseira. Por isso, tem 2,65 metros de entre-eixos - a mesma dimensão do Jetta. E o porta-malas também é maior: comporta 521 litros, ao invés dos 510 do seu irmão superior.

Lançado com três versões diferentes, o jetta também garante a esportividade necessária para a estrada. A versão de entrada, por exemplo, sai com o motor 1.6 MSI que faz até 117 cavalos de potência e aqui é combinado com um câmbio manual de cinco marchas. Já as versões superiores, Comfortline e Highline, vêm o motor 1.0 TSI, que é turbinado. Este propulsor chega a 128 cavalos de potência e 20,4 kgfm de torque, mesmo quando combinado com um câmbio automático de seis velocidades, como no Virtus. Por isso, o sedã surpreende quando é acelerado.

A versão Highline, por exemplo, cumpriu bem o seu papel quando foi testada pela Folha de Pernambuco. O carro mostrou-se leve e não negou disposição, ganhando velocidade com rapidez. Segundo a Volkswagen, são necessários apenas 10,4 segundos para acelerar do zero aos 100 km/h quando o tanque está abastecido com etanol. E o motor mantém o silêncio mesmo quando chega perto da sua potência máxima.

A condução fica ainda mais animada por conta do câmbio, que troca as marchas de forma rápida e suave. O motorista ainda desfruta de conforto, com amplo espaço interno, direção com assistência elétrica e suspensão bem calibrada. E o conforto também é satisfatório: com a Folha, o modelo fez 13,8 km/l na estrada.

O novo sedã da Volkswagen ainda se destaca pela tecnologia. Afinal, na sua versão mais completa, tem um painel bastante conectado. Com oito polegadas, a central multimídia (Discover Media) é sensível ao toque e se conecta rapidamente tanto ao celular do motorista quanto ao quadro de instrumentos do veículo, que também é digital. Além disso, o modelo traz uma novidade para o mercado nacional: um manual cognitivo que usa a inteligência artificial para auxiliar o motorista. A ideia é simples: ao invés de ler o manual para tirar dúvidas sobre o veículo, basta baixar o aplicativo da Volkswagen e fazer perguntas ao sistema, que usa o IBM Watson para dar respostas por mensagens de voz e texto.

Ter tudo isso, no entanto, pode custar mais de R$ 80 mil. É que o Virtus começa a ser vendido em R$ 59.990, mas este valor sobe para R$ 73.490 na versão Comfortline e para R$ 79.990 na Highline. E este preço ainda pode subir devido aos pacotes adicionais, que incluem itens como o Discover Media e a câmera de ré.

Veja também

Banco Central registra recorde de remessas de dólares para Brasil
Moeda

Banco Central registra recorde de remessas de dólares para Brasil

Bolsonaro se irrita com homem que pediu para baixar preço do arroz
Arroz

Bolsonaro se irrita com homem que pediu para baixar preço do arroz