solstício

Inverno do Hemisfério Sul começa nesta quinta (20); confira previsão de chuva para Pernambuco

Previsão para o inverno em Pernambuco é de chuva entre normal e acima da média

Chuvas no inverno devem ser entre normal e acima da médiaChuvas no inverno devem ser entre normal e acima da média - Foto: Léo Motta/Arquivo Folha

O inverno do Hemisfério Sul começa oficialmente às 17h51 desta quinta-feira (20) e segue até o dia 22 de setembro. O início da estação tem o dia mais curto e a noite mais longa do ano.

Isso ocorre devido ao solstício de inverno, quando o Hemisfério Norte passa a receber mais luz solar que o Hemisfério Sul - onde o Brasil está situado -, fazendo com que anoiteça mais cedo no País.

Uma das principais características da época são as baixas temperaturas e a presença mais intensa de chuvas. 

Para Pernambuco, são previstos volumes de chuva entre normal e acima da média, segundo a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac).

"A gente espera que haja uma variabilidade normal para a época do ano, com chuva um pouco acima da média, já que o Oceano Atlântico está um pouco quente e a gente tem uma neutralidade no Pacífico, mas não existe nada de anormal para o período", destaca o meteorologista da Apac Thiago do Vale.

O especialista explica que o fenômeno meteorológico Distúrbios Ondulatórios de Leste (DOLs) será o responsável por provocar chuvas mais intensas no Estado na estação.

Chuva no recife Volumes de chuva normal e acima da média são aguardados na Região Metropolitana do Recife | Foto: Melissa Fernandes/Folha de Pernambuco 

Thiago do Vale também informou que, durante o inverno, estão previstos de 300 a 350 milímetros de chuva mensal na Região Metropolitana do Recife e nas Zonas da Mata Norte e Sul.

Para o Agreste, o especialista prevê que o volume mensal fique entre 150 e 200 mm.

"Já para o Sertão, a gente não tem tanta expectativa de chuva, que deve ficar abaixo de 100 milímetros por mês", explicou o meteorologista, que prevê, para a região, noites mais frias e tardes amenas.

Com temperaturas mais baixas, a umidade do ar deverá aumentar. Os ventos devem ser intensificados a partir de agosto.

"Eventos meteorológicos que acontecem nessa época podem estar associados com a intensificação dos ventos, mas essas intensificações são em forma de rajadas. A gente pode ter chuvas com rajadas de vento mais intensas", informou o meteorologista da Apac.

Sai El Niño, entra La Niña
Em todo o Brasil, o fenômeno El Niño, caracterizado pelo aquecimento igual a maior de 0,5 graus das águas do oceano, está chegando ao fim.

Com isso, as condições de temperatura na superfície do Oceano Pacífico estão voltando à média climatológica após um ano de elevação, segundo boletim do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

A tendência, agora, é que o fenômeno La Niña comece a atingir o País a partir do segundo semestre e persistir durante todo o ano de 2024, com pico provável para a primavera, segundo o Climatempo.

O fenômeno costuma gerar diminuição igual ou maior que 0,5 grau na temperatura do Pacífico, o que pode provocar o aumento de chuvas no Norte e Nordeste, tendência de tempo mais seco no Sul e chuvas com menor regularidade no Centro-Sul.

Apesar da chegada do La Niña, é necessário considerar as altas temperaturas enfrentadas em todo o mundo. 

"A expectativa é que a influência do La Niña só seja para o ano que vem", destacou o meteorologista da Apac.

“Caso a gente identifique riscos associados às precipitações, enviaremos avisos meteorológicos. A população deve ficar atenta e, em caso de aviso, deve acatar orientações da Defesa Civil”, completa Thiago do Vale.

Veja também

Kate Middleton irá assistir a final de Wimbledon, diz Palácio de Kensington
REINO UNIDO

Kate Middleton irá assistir a final de Wimbledon, diz Palácio de Kensington

Argentina venderá dólares no mercado paralelo para "esterilizar" câmbio, diz Caputo
Câmbio

Argentina venderá dólares no mercado paralelo para "esterilizar" câmbio, diz Caputo

Newsletter