política

Ruanda diz que acordo com Reino Unido para receber imigrantes não prevê devolução de recursos

Partido Trabalhista, que assumiu o governo após vitória nas eleições da semana passada, anunciou que vai abandonar o plano que envolve o país africano

O primeiro-ministro britânico, Keir StarmerO primeiro-ministro britânico, Keir Starmer - Foto: Paul Faith / AFP

O governo de Ruanda comunicou nesta terça-feira que o polêmico acordo com o Reino Unido para receber imigrantes que chegaram ilegalmente às ilhas britânicas não estipula devolução de recursos em caso de desistência.

O plano foi arquitetado junto ao país africano durante o governo do Partido Conservador, derrotado nas eleições da semana passada, e não deve ser continuado sob o novo governo, do Partido Trabalhista.

— O acordo que assinamos não estipula que temos que devolver o dinheiro. Para ser claro, devolver o dinheiro nunca fez parte do acordo — disse o porta-voz do governo de Ruanda, Alain Mukuralinda.

O recém-eleito primeiro-ministro britânico, Keir Starmer, confirmou no sábado sua intenção de abandonar o plano do governo anterio de expulsar migrantes em situação irregular para Ruanda, pelo qual Londres já pagou 240 milhões de libras (R$ 1,7 bilhão), desde que o ex-primeiro-ministro Boris Johnson anunciou o plano pela primeira vez em abril de 2022.

— [O projeto] estava morto e enterrado antes mesmo de começar. Não foi dissuasório. Não estou disposto a continuar com medidas enganosas — disse Starmer após o primeiro conselho de ministros do novo governo.

Em seu lugar, o líder trabalhista agora propõe combater as máfias que sustentam as chegadas dos migrantes.

Na sexta-feira, a nova ministra do Interior Yvette Cooper disse que um dos primeiros deveres do governo seria “manter nossas fronteiras seguras” e afirmou que iria priorizar a criação de um novo comando de segurança de fronteira de elite.

Com o dinheiro economizado com o plano anterior, o novo governo pretende “perseguir, interceptar e prender os responsáveis por este comércio nefasto”.

Desde que foi anunciado, o projeto de deportações para Ruanda enfrentou vários desafios legais e a Suprema Corte do Reino Unido determinou em novembro que sua execução era ilegal em virtude do direito internacional.

Mukuralinda afirmou que foram autoridades britânicas que procuraram Kigali para solicitar a parceria, que teria sido "amplamente discutida" antes de ser efetivada.

— O acordo foi aos tribunais, e inclusive foi modificado após os resultados dos tribunais — disse o porta-voz. — Foi ao Parlamento e finalmente se tornou um tratado entre dois países. Um tratado prevê uma cláusula de saída.

A imigração se tornou uma questão política importante no Reino Unido desde o Brexit. Ruanda, um pequeno país da África Oriental com 13 milhões de habitantes, é um dos países mais estáveis do continente e tem sido elogiado por sua infraestrutura moderna.

Mas grupos de direitos humanos acusam o presidente Paul Kagame de reprimir a dissidência e a liberdade de expressão.

Veja também

Cerca de 100 vítimas do Estado Islâmico são encontradas em vala comum no Iraque
CONFLITO

Cerca de 100 vítimas do Estado Islâmico são encontradas em vala comum no Iraque

Festa do Carmo 2024: fiéis comparecem ao último dia do novenário, que antecede festa da padroeira
RELIGIOSIDADE

Festa do Carmo 2024: fiéis comparecem ao último dia do novenário, que antecede festa da padroeira

Newsletter