ELEIÇÕES 2022

Damares confirma possibilidade de ser candidata ao Senado: 'Alcolumbre, estou chegando'

Ministra diz que avalia concorrer por seis estados, mas não confirma candidatura

Ministra DamaresMinistra Damares - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, confirmou nesta segunda-feira que considera ser candidata ao Senado e que ainda avalia por qual estado concorrer. Mesmo sem confirmar a candidatura, Damares afirma que o estado de preferência para concorrer seria o Amapá e afirmou ao senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), seu possível adversário, que está "chegando".

— São seis estados. Eu gostaria de sair candidata pelos seis, ter seis cadeiras, ter seis gabinetes. Mas, como eu não posso, eu estou orando para saber se eu serei e por qual estado — disse a ministra, após um evento no Palácio do Planalto, citando quatro estados: — São vários. Roraima, tem Sergipe, Amapá. São Paulo. Os outros dois eu não me lembro.

Questionado sobre qual dos estados estaria "na frente" no processo de escolha, Damares respondeu, animada:

— No coração? Amapá! Acolumbre, estou chegando.

A ministra, que é pastora evangélica, é incentivada a concorrer pelo Amapá como uma forma de retribuição dos evangélicos a Alcolumbre, que segurou por quatro meses e meio a indicação de André Mendonça — igualmente pastor — ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Já a possibilidade de concorrer por São Paulo foi levantada pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, que revelou publicamente ter convidado Damares a concorrer na chapa do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, que deve ser candidato ao governo estadual.

Veja também

Raquel Lyra exonera secretário de Justiça e Direitos Humanos; substituto ainda não foi anunciado
Pernambuco

Raquel Lyra exonera secretário de Justiça e Direitos Humanos; substituto ainda não foi anunciado

PSOL quer que STF investigue idas de Zema e Nikolas Ferreira a ato de Bolsonaro na Paulista
BRASIL

PSOL quer que STF investigue idas de Zema e Nikolas Ferreira a ato de Bolsonaro na Paulista