Boulos

Procuradoria eleitoral pede anulação de multa de R$ 53 mil contra Boulos por erro processual

Na ocasião, o parlamentar divulgou dados de uma pesquisa realizada pela Real Time Big Data

Guilherme Boulos, deputado federal pelo PSOLGuilherme Boulos, deputado federal pelo PSOL - Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Leia também

• Caso Marielle: contra cassação, Brazão usa parecer de Boulos em suposta 'rachadinha' de Janones

• Boulos diz que governo Lula falha na comunicação e que conversou sobre o assunto com presidente

• Com a ajuda de Boulos, suspeita de "rachadinha" de Janones é arquivada, e sessão termina em confusão

A Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo (PRE-SP) opinou pela anulação de sentença que condenou o pré-candidato a prefeito de São Paulo Guilherme Boulos (PSOL) ao pagamento de multa no valor de R$ 53,2 mil por suposta divulgação de pesquisa fraudulenta.

Isso porque, de acordo com a procuradora substituta Adriana Scordamaglia, o juiz de primeira instância não poderia ter aplicado a multa porque a análise deveria ocorrer na esfera criminal.

"A regra da congruência da decisão judicial, prevista no artigo 492 do Código de Processo Civil, impõe ao juiz o dever de analisar todos os pedidos deduzidos pelo autor, inclusive os implícitos, porém, deve limitar-se a tais pedidos", afirmou em trecho do parecer enviado ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP). Scordamaglia defende que o caso, por se tratar de um crime eleitoral, deve ser analisado na esfera criminal.

A procuradora argumenta que, na ação movida pelo PSB, que tem a deputada federal Tabata Amaral como pré-candidata a prefeita de São Paulo, a causa de pedir foi a suposta divulgação de pesquisa eleitoral fraudulenta e a condenação com base no artigo 18, da resolução do TSE 23.600/2019, que prevê multa de R$ 53,2 mil a R$ 106,4 mil.

"Ocorre, porém, que referido dispositivo trata do crime de 'divulgar pesquisa eleitoral fraudulenta', devendo ser apurado na via adequada", citou a procuradora. Ela opina também pela extinção da ação movida pelo PSB porque, segundo a legislação atual, é de responsabilidade do Ministério Público propor ações criminais.

Na ação movida pelo MDB, que tem Ricardo Nunes como pré-candidato à reeleição, "a causa de pedir também foi a suposta divulgação de pesquisa eleitoral fraudulenta, porém, o pedido formulado foi a condenação do representado à exclusão das postagens impugnadas", ou seja, não houve pedido de multa ou análise criminal do caso.

Em primeira instância, o juiz Antonio Maria Patiño Zorz, da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, condenou o psolista a pagar R$ 53,2 mil "pela divulgação irregular de resultados de pesquisa eleitoral efetuada nas redes sociais".

Na ocasião, o parlamentar divulgou dados de uma pesquisa realizada pela Real Time Big Data, encomendada pela Record TV, com o título "Boulos lidera com 34% contra qualquer bolsonarista". A publicação foi feita no Instagram e Facebook com letras garrafais e misturava dados de vários cenários, omitindo candidatos.
 

Veja também

Biden pede ao país para 'baixar temperatura' política
ELEIÇÕES

Biden pede ao país para 'baixar temperatura' política

Suposto autor de disparos contra Trump era um jovem solitário
ATENTADO

Suposto autor de disparos contra Trump era um jovem solitário

Newsletter