Alepe espera emendas pix e deve votar projetos do Governo na próxima semana

Legislativo e Executivo negociam pagamento aos 18 deputados que não receberam nenhum tostão

Plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco - Foto: Divulgação

A sessão realizada na Assembleia Legislativa ontem não foi a última do semestre, como planejaram os deputados e como anunciou a Mesa Diretora, após a votação de vários projetos, entre eles os que estabelecem reajuste salarial a professores e outras categorias.

A Casa deve votar na próxima quarta outros três projetos enviados pela governadora Raquel Lyra (PSDB), na última segunda, Eles vão ajudar a manter a sustentabilidade fiscal do Estado e permitir a contratação de novos empréstimos.  

Antes, na terça, os parlamentares devem fazer esforço concentrado para analisar as propostas nas comissões. Ainda pode haver pareceres em plenário. Essa era a ideia articulada entre o Governo e o Legislativo ontem.

A negociação está atrelada à liberação, nos próximos dias, de emendas pix aos 18 dos 49 deputados que não receberam nenhum tostão e ao complemento a outros cinco parlamentares. As emendas pix são destinadas diretamente às prefeituras. A verba não tem carimbo. Só não pode ser usada para pagar a folha de pessoal. 

Na semana passada, o Executivo liberou R$ 32 milhões de um montante de R$ 62 milhões, contemplando a maioria dos deputados considerados governistas. A medida levou o presidente da Alepe, deputado Álvaro Porto (PSDB), a ocupar a tribuna e cobrar equidade e impessoalidade à governadora. Também enviou ofício solicitando respeito à Lei de Diretrizes Orçamentárias. 

A reação do Palácio das Princesas foi rápida. Sem ela, haveria duas opções. A Casa votaria as propostas em agosto, no pós-recesso, ou a governadora teria de convocar extraordinária, o que significaria um novo desgaste. Pressão e diálogo apareceram no caminho.

Traída ou traidora
A prefeita de Serra Talhada, Márcia Conrado (PT) rechaçou o adjetivo de "traidora" usado por adversários para classificá-la na política. Revidou dizendo ter conseguido montar um palanque amplo para a reeleição porque "todos cansaram de ser traídos pelo outro grupo" (o do ex-prefeito e hoje deputado Luciano Duque). "Ninguém mais confiava nesse outro grupo, ninguém aguentava mais ser traído por esse outro grupo", argumentou em entrevista à Rádio Folha FM 96,7.

União
Márcia Conrado aglutinou adversários. Estão ao seu lado o presidente Lula, o PSB do prefeito João Campos, a governadora Raquel Lyra, a ex-deputada federal Marília Arraes, o presidente do Avante, Sebastião Oliveira. "Um dos maiores desafios da política é a capacidade de unir", reconhece.

Projetos
Segundo a primeira prefeita do município, a grande diferença entre os grupos é que "o outro tem um projeto pessoal e o nosso, um projeto de desenvolvimento, para discutir e trabalhar por Serra Talhada". 

Resposta
O deputado Luciano Duque disse que a prefeita sabe a transformação garantida por ele na vida dela e da família. Afirmou que "o tempo é o senhor da sabedoria" e sentenciou não julgar ninguém. "Deixo para o povo", completou.

Veja também

Biden recebe apoio do esquerdista Bernie Sanders
Eleições

Biden recebe apoio do esquerdista Bernie Sanders

Tarcísio veta projeto que exclui prova oral de concursos da Polícia Civil de São Paulo
Projeto de Lei

Tarcísio veta projeto que exclui prova oral de concursos da Polícia Civil de São Paulo

Newsletter