CINEMA

"O Diabo Veste Prada": sequência do filme está em desenvolvimento, diz revista

Produção com Meryl Streep e Anne Hathaway ainda hoje repercute entre fãs, mas eventual continuação da história segue envolta de mistério

Anne Hathaway, Meryl Streep e Emily Blunt em 'O diabo veste Prada' Anne Hathaway, Meryl Streep e Emily Blunt em 'O diabo veste Prada'  - Foto: Divulgação

Quando estreou em 2006, ninguém previu que "O Diabo Veste Prada" estava destinado a se tornar um dos grandes fenômenos do ano.

É claro que havia muitas expectativas depositadas naquela produção, mas nem mesmo a mais otimista das previsões poderia prever o lugar que esse longa-metragem iria ganhar na cultura popular.

Dezoito anos depois do lançamento, ainda se fala do impacto de Miranda Priestly, do namorado Nate como o verdadeiro vilão e da admirável tenacidade de Andrea. Para a alegria de seus fãs, foi confirmado que a Disney avança com uma segunda parte da saga.

Segundo a revista Variety, a pré-produção do novo filme já está em andamento. A roteirista do título original, Aline Brosh McKenna, está em negociações para escrever a sequência, sobre a qual ainda pouco se sabe. Ainda não há notícias confirmadas sobre o possível retorno do elenco original, composto por Meryl Streep como Miranda Priestly, Anne Hathaway como Andrea Sachs e Emily Blunt como Emily Charlton.

 

Mas tendo em conta o carinho que o trio de atrizes tem manifestado por este filme, o bom relacionamento entre elas e as inúmeras homenagens que as três prestaram ao filme, seria surpreendente se não fizessem parte do projeto.

Segundo a sinopse da história, pelo menos a participação de Streep e Blunt seria fundamental. A trama do novo filme girará em torno de Miranda, que tenta encontrar uma maneira de manter seu negócio de revistas funcionando, em meio à queda nas vendas de publicações físicas. Por isso, ela deve pedir ajuda a Emily Charlton, sua ex-assistente, hoje uma poderosa executiva à frente de um importante grupo multimídia. Dessa forma, as duas mulheres se enfrentarão e Charlton terá que decidir se ajuda ou não sua ex-chefe. Priestly, por sua vez, defende que fazer negócios não significa abaixar a cabeça.

Quando O Diabo Veste Prada estreou, um dos tópicos mais debatidos centrou-se no quanto Miranda Priestly tinha da editora da Vogue Anna Wintour (que muitos descreveram como uma chefe destemida e complexa de se trabalhar em conjunto). Da mesma forma, a equipe de design de produção do filme (um dos aspectos mais bem-sucedidos do longa-metragem, e talvez não tão reconhecido) se deu ao trabalho de replicar o escritório de Wintour.

No entanto, Lauren Weisberger, autora do livro, nunca confirmou que se inspirou em Anna Wintour, embora tenha sido sua assistente na Vogue e tenha trabalhado ao seu lado durante onze meses. Depois, começou a escrever para uma revista de estilo de vida chamada Departures.

Contrariando o mito, Meryl revelou que se inspirou em dois homens para a personagem Miranda e que nunca estudou Wintour.

Peguei a voz de Clint Eastwood [que dirigiu a atriz e coestrelou com ela As Pontes de Madison], porque ele nunca eleva o tom da voz, mas tem um jeito de comunicar as coisas que faz todo mundo querer ouvir. Mas não é engraçado: aprendi isso com Mike Nichols [o diretor que dirigiu Meryl em Silkwood - O Retrato de uma Coragem, por exemplo]. Às vezes a observação mais cruel, se dita com um pouco de ironia, acaba sendo o conselho mais eficaz explicou Meryl.

Veja também

Ficção cristã: livros que aliam narrativas envolventes e valores religiosos ganham espaço no mercado
litertura

Ficção cristã: livros que aliam narrativas envolventes e valores religiosos ganham espaço no mercado

Uma mãe pode ter gêmeos de homens diferentes, como na novela "Pedaço de mim"? Especialista responde
SÉRIE

Uma mãe pode ter gêmeos de homens diferentes, como na novela "Pedaço de mim"? Especialista responde

Newsletter