aviação

Boeing deixou de rastrear até 400 peças defeituosas dos jatos 737 Max, diz delator

Inspetor de qualidade da Boeing denunciou falha de controle em documento tornado público pelo Senado dos EUA nesta terça-feira (18)

Boeing 737 MAX 9, da Alaska AirlinesBoeing 737 MAX 9, da Alaska Airlines - Foto: Daniel Slim/AFP

Um inspetor de qualidade da Boeing alegou que a fabricante de aviões gerenciou mal e deixou de rastrear centenas de peças defeituosas, algumas das quais, segundo ele, podem ter sido instaladas nos novos aviões 737 Max, a mais recente revelação que aponta uma possível má conduta na fabricante.

As alegações foram detalhadas em uma reclamação feita em 11 de junho pelo inspetor da Boeing Sam Mohawk, da Administração de Segurança e Saúde Ocupacional, e tornadas públicas por um subcomitê do Senado dos Estados Unidos nesta terça-feira, em um memorando. A Boeing disse que está analisando as reclamações depois de ter recebido o documento na segunda-feira.

No ano passado, a Boeing havia deixado de rastrear cerca de 400 peças defeituosas da aeronave 737 Max e excluído os registros de muitas delas de um sistema de catalogação interno, de acordo com a denúncia. As chamadas "peças não conformes" são componentes danificados ou inadequados que devem ser rastreados, descartados ou reparados, com registros meticulosos para garantir que não sejam usados no processo de fabricação da aeronave.

Mohawk também alegou que a Boeing "escondeu intencionalmente" as peças não conformes armazenadas de forma inadequada — incluindo componentes grandes, como lemes e flaps — da Administração Federal de Aviação dos EUA antes de uma inspeção no local.

As alegações, que não haviam sido divulgadas anteriormente, somam-se a uma série de outras reivindicações de denunciantes que alegam que a empresa cortou custos em seus processos de produção e qualidade. Alguns denunciantes disseram que foram incentivados a manter o silêncio ou sofreram retaliações por terem manifestado suas preocupações.

"Incentivamos continuamente os funcionários a relatar todas as preocupações, pois nossa prioridade é garantir a segurança de nossos aviões e do público que voa", disse a Boeing em um comunicado.

A queixa da Mohawk foi divulgada pelo Subcomitê Permanente de Investigações do Senado no mesmo dia em que ele planeja ouvir o depoimento do CEO da Boeing, Dave Calhoun, fornecendo novas linhas de investigação para perseguir o líder em apuros.

O painel abriu uma investigação sobre a fabricante de aviões após uma quase catástrofe em janeiro, quando um painel da fuselagem explodiu em um 737 Max logo após a decolagem.

Veja também

Mega-Sena 2.748: prêmio acumula pela terceira vez e chega a R$ 21 milhões
loteria

Mega-Sena 2.748: prêmio acumula pela terceira vez e chega a R$ 21 milhões

Lei que padroniza índices de correção e juros ainda gera dúvidas a especialistas
padrão

Lei que padroniza índices de correção e juros ainda gera dúvidas a especialistas

Newsletter