Brasil

Haddad diz que serão refeitas contas do INSS e não garante novo aumento do salário mínimo este ano

Piso nacional é de R$ 1.302 proposto durante governo Bolsonaro

Fernando HaddadFernando Haddad - Foto: Douglas Magno/AFP

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou, nesta quinta-feira (12), que o governo Lula está refazendo os cálculos dos gastos com a Previdência Social (pagos pelo INSS) e não garantiu que o salário mínimo suba para R$ 1.320 neste ano, como a equipe do presidente prometeu durante a transição.

Como O Globo mostrou nesta quarta, o governo avalia manter o valor de R$ 1.302 pelo menos até maio. Esse valor foi estabelecido pelo governo Jair Bolsonaro no fim do ano passado. Em 2022, o salário mínimo era de R$ 1.212.

— A gente pediu para a Previdência refazer os cálculos para que a gente possa avaliar adequadamente e responsavelmente a luz desse quadro — disse Haddad.

O aumento acima da inflação foi uma promessa de campanha de Lula. Apesar da possibilidade de o salário não ser majorado, Lula ainda cumprirá a promessa porque o aumento para R$ 1.302 significa uma alta de 7,41% na comparação com 2022. No ano passado, a inflação fechou em 5,79%. Ou seja, uma alta de 1,62% acima da inflação.

— O compromisso do presidente Lula durante a campanha era aumento real do salário mínimo. O presidente Lula cumpriu agora e cumprirá nos próximos três anos — disse Haddad.

O governo federal passou a relatar dificuldades para o reajuste do mínimo por conta do aumento no número de aposentados do INSS a partir do segundo semestre do ano passado, que ampliou os gastos com a Previdência.

No fim do ano passado, o governo Bolsonaro enviou um ofício à equipe da transição calculando que, por conta do aumento de beneficiários da Previdência e da alta real do salário mínimo, haveria um impacto extra de R$ 7,7 bilhões nas contas públicas. Esse número, segundo o ofício, não estava previsto no Orçamento de 2023.

Com a chamada “PEC da Transição”, que permitiu ampliar os gastos do governo federal em R$ 168 bilhões neste ano, ficou reservado um valor de R$ 6,8 bilhões para o aumento real do mínimo. O valor extra de R$ 7,7 bilhões — que inclui gastos totais dessas novas aposentadorias, não apenas a correção do salário mínimo — é acima desse número.

— Esse recurso do Orçamento foi consumido pelo andar da fila do INSS. A fila do INSS começou a andar — disse Haddad.

O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, vai receber centrais sindicais na próxima semana para discutir o assunto.

A ideia é iniciar um debate sobre uma política permanente de reajuste real para o mínimo, que considere a variação da inflação mais a variação do PIB e da inflação.

Veja também

Arroz: produtores e indústrias do RS pedem ao Ministério da Agricultura revisão das medidas
RIO GRANDE DO SUL

Arroz: produtores e indústrias do RS pedem ao Ministério da Agricultura revisão das medidas

Sudene visita sede da Finep, no Rio de Janeiro, para ampliar cooperação técnica entre instituições
Parceria

Sudene visita sede da Finep, no Rio de Janeiro, para ampliar cooperação técnica entre instituições

Newsletter