ARGENTINA

Inflação mensal da Argentina cai ao menor nível desde 2022

Em maio, índice subiu 4,2%, abaixo das estimativas de economistas. É o nível mais baixo desde janeiro de 2022. Em 12 meses, inflação ainda é de três dígitos: 276,4%

ArgentinaArgentina - Foto: Luis Robayo/AFP

A inflação mensal na Argentina desacelerou em maio para seu menor nível desde o início de 2022, alcançando sua quinta desaceleração consecutiva sob a presidência de Javier Milei, enquanto persistem dúvidas no mercado sobre a possibilidade de manutenção dessa tendência.

Os preços ao consumidor subiram 4,2% no mês passado, abaixo das estimativas dos economistas de 5%. Esse é o nível mais baixo desde janeiro de 2022. Em termos anuais, a inflação desacelerou para 276,4%, segundo dados do governo publicados na quinta-feira.

 

Os custos de comunicação e educação lideraram os aumentos mensais de preços em maio por categorias.

Embora esteja longe de ser uma vitória definitiva, a desaceleração do aumento dos preços representa mais um fato positivo para Milei esta semana, após a maioria de suas reformas econômicas serem aprovadas pelo Senado na manhã de quinta-feira em uma votação crucial.

Seu governo também renovou uma parte de sua linha de swap de divisas com a China, enquanto o conselho executivo do Fundo Monetário Internacional aprovou a última revisão do programa ao país, de US$ 800 milhões (cerca de R$ 4,1 bi). Milei também participará neste fim de semana da cúpula do G7 na Itália.

Embora seja esperado que a administração de Milei destaque os resultados positivos de seu programa de choque econômico, os economistas veem o ritmo atual da inflação mensal como uma espécie de piso no curto prazo.

Embora as expectativas de inflação tenham diminuído significativamente este ano, os analistas consultados pelo Banco Central da Argentina em maio não esperam aumentos mensais de preços abaixo de 5% até setembro. Mesmo para novembro, a inflação mensal está prevista em 4,5%.

Milei se absteve de eliminar grande parte dos subsídios que mantêm os custos dos serviços públicos e do transporte artificialmente baixos . O corte desses subsídios, que superaram US$ 10 bilhões de gastos públicos anuais nos últimos anos, é essencial para o compromisso de Milei de alcançar o equilíbrio fiscal este ano.

No entanto, uma vez eliminados os subsídios, os preços inevitavelmente subirão em todos os setores, devido ao efeito cascata que os serviços públicos e o transporte têm em todas as outras categorias.

O câmbio paralelo do peso argentino também está sob mais pressão ultimamente, o que alimenta a preocupação com algum impacto nos preços. A estagnação da inflação no segundo semestre ocorre no contexto de uma nova recessão na Argentina: os economistas preveem que o produto interno bruto se contraia 3,8% este ano.

Veja também

Mega-Sena 2.748: prêmio acumula pela terceira vez e chega a R$ 21 milhões
loteria

Mega-Sena 2.748: prêmio acumula pela terceira vez e chega a R$ 21 milhões

Lei que padroniza índices de correção e juros ainda gera dúvidas a especialistas
padrão

Lei que padroniza índices de correção e juros ainda gera dúvidas a especialistas

Newsletter