justiça

Enfermeira britânica condenada por matar bebês volta a julgamento por tentativa de assassinato

Vítima seria um recém-nascido na unidade neonatal onde Lucy Letby trabalhava

Lucy Letby foi condenada pelo assassinato de 7 bebês; outros casos ainda são investigados Lucy Letby foi condenada pelo assassinato de 7 bebês; outros casos ainda são investigados  - Foto: Reprodução

Lucy Letby, uma ex-enfermeira britânica condenada pelo assassinato de vários bebês, voltou nesta quarta-feira a julgamento acusada de tentar matar um recém-nascido na unidade neonatal do hospital onde trabalhava.

Letby, de 34 anos, teria tentado assassinar a menina prematura, identificada no tribunal como "Bebê K", em um hospital no noroeste da Inglaterra em fevereiro de 2016. Na abertura do caso, o promotor Nick Johnson alegou que a ex-enfermeira foi "praticamente pega em flagrante" por um consultor sênior quando os níveis de oxigênio da pequena estavam caindo.

A menina estava conectada a um respirador e a uma máquina que monitorava seu ritmo cardíaco e saturação de oxigênio, com alarmes para avisar sobre qualquer irregularidade. Mas o consultor pediátrico Ravi Jayaram entrou na unidade neonatal e viu Letby de pé ao lado do bebê quando os níveis de oxigênio dela estavam caindo sem que o alarme tocasse.

— Não só isso, mas Lucy Letby não estava fazendo nada —, acrescentou o promotor.

— Sugerimos que o fato de que Lucy Letby não estava fazendo nada e o fato de que os alarmes não estavam tocando são provas que permitem concluir que foi Lucy Letby, a assassina condenada, quem retirou o tubo (de respiração) — , acrescentou ao júri.

A ex-enfermeira foi condenada em um julgamento, concluído no ano passado, pelo assassinato de sete bebês na unidade neonatal e pela tentativa de assassinato de outros seis, entre 2015 e 2016.

O júri no primeiro julgamento não conseguiu chegar a um veredicto sobre a acusação de tentativa de assassinato do "Bebê K", o que motivou este novo processo.

Letby negou a acusação de tentativa de assassinato. Seu advogado, Ben Myers, disse que "é importante enfatizar que as condenações não provam essa acusação. (...) Sustentamos que as provas não apoiam o que é alegado".

Veja também

Direita americana ataca mulheres encarregadas da segurança de Trump
política

Direita americana ataca mulheres encarregadas da segurança de Trump

Motorista bêbado invade calçada de café em Paris, mata um cliente e deixa três em estado grave
Paris

Motorista bêbado invade calçada de café em Paris, mata um cliente e deixa três em estado grave

Newsletter