Quênia

Manifestantes invadem Parlamento e incendeiam prédios no Quênia; internet é interrompida

Dezenas estão feridas e desapareceram nas últimas 24 horas, denunciam ONGs

Manifestantes invadindo o Parlamento no Quênia Manifestantes invadindo o Parlamento no Quênia  - Foto: Luis Tato/AFP

Pelo menos cinco pessoas morreram e 31 ficaram feridas nesta terça-feira durante protestos contra um projeto de aumento de impostos no Quênia.

Manifestantes invadiram e incendiaram os prédios onde ficam o Parlamento e a Prefeitura de Nairóbi, e também atearam fogo em veículos próximos à Suprema Corte do país, levando a confrontos com as forças de segurança na capital.

Após as invações, o site de monitoramento de internet NetBlocks relatou que houve uma “grande interrupção” na conectividade no Quênia.

A organização anunciou no X (antigo Twitter), que “o incidente ocorre em meio à repressão policial” contra os protestantes contra um novo projeto de lei financeira que levantam a hashtag #RejectFinanceBill2024 e “um dia depois de as autoridades afirmarem que não haveria interrupção” da conexão.

Durante as invasções, segundo a imprensa queniana, deputados que estavam no local fugiram por um túnel subterrâneo.

"Apesar da garantia do governo de que o direito a protesto seria protegido e facilitado, os protestos de hoje se transformaram em violência. (...) Pelo menos cinco pessoas morreram devido a disparos enquanto socorriam os feridos", afirmaram várias ONGs de direitos humanos em comunicado, incluindo a Anistia Internacional. Segundo a declaração, 31 pessoas ficaram feridas, 13 delas por balas de fogo.

A tensão explodiu no centro financeiro da capital, onde ocorria a terceira manifestação em oito dias do movimento “Occupy Parliament” (Ocupar o Parlamento), que se opõe a um projeto de Orçamento para 2024-2025 que prevê a instituição de novos impostos, incluindo um IVA de 16% sobre o pão e uma taxa anual de 2,5% para veículos particulares.

Há uma semana, o governo anunciou a retirada da maioria das medidas, mas o movimento exige a eliminação total do texto.

Ao meio-dia do horário local, os manifestantes romperam o cordão de isolamento policial e avançaram em uma área que abriga vários prédios governamentais, incluindo o Parlamento e a prefeitura de Nairóbi, que foram invadidos, e a Suprema Corte.

Outras manifestações ocorreram em diferentes cidades do país, de acordo com a mídia local. As ONGs não especificaram os locais onde os mortos e feridos foram contabilizados.

Antes dos distúrbios desta terça, outras duas pessoas haviam morrido em Nairobi durante a onda de protestos e dezenas ficaram feridas.

Organizações de direitos humanos também informaram que 21 pessoas foram sequestradas ou desapareceram nas últimas 24 horas, algumas das quais foram já libertadas. Segundo o comunicado, ao 52 manifestantes foram presos.

Sensação de cansaço
Inicialmente liderado pela "Geração Z" (pessoas nascidas após 1997), o movimento se transformou em um protesto mais amplo contra a política do presidente William Ruto, que se mostrou disposto a dialogar.

— Ruto nunca cumpriu suas promessas [...] Estamos cansados. Que ele vá embora — declarou Stephanie Wangari, desempregada de 24 anos, em entrevista à AFP durante o protesto.

A ativista de origem queniana Auma Obama, irmã do ex-presidente dos EUA Barack Obama, estava ao lado dos manifestantes no protesto.

No momento em que concedia uma entrevista a uma afiliada da CNN americana em Nairóbi, ela foi atingida por gás lacrimogêneo.

— Não consigo nem ver mais, estamos sendo atacados com gás lacrimogêneo — disse Obama em imagens capturadas pela TV. — Veja o que está acontecendo. Os jovens quenianos estão se manifestando por seus direitos. Eles estão se manifestando com bandeiras e faixas.

O Quênia, um país do leste da África com cerca de 52 milhões de habitantes, é um motor econômico na região.

No entanto, a nação registrou uma inflação de 5,1% ao ano em maio, com aumentos nos preços de alimentos e combustíveis de 6,2% e 7,8%, respectivamente, segundo o Banco Central.

Veja também

Chefe de segurança da líder opositora da Venezuela é preso a poucos dias da eleição
Venezuela

Chefe de segurança da líder opositora da Venezuela é preso a poucos dias da eleição

Lula diz que irá consultar ministros sobre suposto caso trabalho escravo em SC
trabalho escravo

Lula diz que irá consultar ministros sobre suposto caso trabalho escravo em SC

Newsletter